Direita espanhola convoca manifestações para domingo contra Sánchez

PP, Ciudadanos e Vox lançam apelo a protesto. Em causa a "humilhação permanente" diante do independentismo catalão. O líder do PP não descarta pedir uma moção de censura contra o governo socialista.

O governo espanhol aceitou nomear um "relator" para as negociações com a Catalunha, desencadeando as críticas da oposição de direita. Partido Popular e Ciudadanos convocaram uma manifestação contra o primeiro-ministro Pedro Sánchez, este domingo em Madrid, à qual se juntará também a extrema-direita do Vox.

A vice-presidente do Executivo, Carmen Calvo, explicou qual é o papel do "relator", que não é um negociador nem um mediador. "Será simplesmente uma pessoa de confiança dos partidos que se sentem à mesa e que fará o trabalho de convocar, ordenar o debate, recordar do que se está a falar e recapitular o que se fez", indicou à rádio Cadena Ser.

O líder do PP, Pablo Casado, não descarta pedir uma moção de censura ao governo, tendo apelidado Sánchez de primeiro-ministro "ilegítimo por pactuar com golpistas e deixar-se chantagear por quem quer romper com Espanha". E não ficou por aí: descreveu-o como "medíocre", "indigno", "o maior traidor" ou "mentiroso compulsivo", lançando um apelo à mobilização dos espanhóis. O PP pediu às autoridades madrilenas autorização para o protesto na Praça de Colón, às 11.00 (10.00 em Lisboa).

Também o líder do Ciudadanos, Albert Rivera, lançou um apelo aos protestos no domingo, às 12.00 na mesma praça Colón, apesar de a ação não ter sido coordenada. Considerando uma "humilhação permanente" a aceitação da eventual nomeação de um "relator" para o diálogo na Catalunha, Rivera disse que a partir de agora o seu partido vai usar todos os mecanismos disponíveis para "pôr um travão" em Sánchez e impedir esse diálogo.

Rivera é contra uma moção de censura, preferindo pressionar Sánchez a que convoque eleições antecipadas. "Não percamos mais tempo, eleições já", indicou. O Ciudadanos votou contra a moção de censura que afastou o líder do PP, Mariano Rajoy, da chefia do governo a 1 de junho de 2018, mas Sánchez contou com o apoio da esquerda e de vários partidos nacionalistas, incluindo os catalães.

O líder do Vox, Santiago Abascal, também fez um apelo à participação nas manifestações. "Como sempre fizemos, por cima das diferenças partidárias, o Vox também convoca todos os seus simpatizantes e todos os espanhóis à grande mobilização deste domingo na Praça Colón. É preciso afastar este governo traidor que está agarrado aos golpistas", escreveu no Twitter.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG