Dinamarca quer isolar migrantes "indesejados" numa ilha

Governo dinamarquês pretende alojar migrantes "indesejados" numa ilha pequena e de difícil acesso que agora acolhe laboratórios, estábulos e crematórios de um centro de pesquisa de doenças animais contagiosas

A Dinamarca planeia isolar os migrantes "indesejados" numa ilha pequena e de difícil acesso, que atualmente aloja laboratórios, estábulos e crematórios de um centro de pesquisa de doenças animais contagiosas.

Um dos dois ferries que servem a ilha é chamado de "vírus". "Se você é indesejado na sociedade dinamarquesa, não deve ser incómodo para os dinamarqueses. Os migrantes que são condenados por infrações penais, lei de armas, tráfico de drogas, entre outras, serão movidos para a ilha desabitada, Lindholm. Eles são indesejados na Dinamarca e vão sentir isso", escreveu no Facebook a ministra das imigrações, Inger Stojberg.

Na sexta-feira, o governo de centro-direita e o partido de extrema-direita People's Party [Partido do Povo] anunciaram um acordo para abrigar até 100 pessoas na ilha de Lindholm, todos estrangeiros que foram condenados por crimes. As instalações para os imigrantes terão um custo de 115 milhões de dólares (101,32 milhões de euros) e deverão ser inauguradas em 2021.

A ilha, com cerca de 69 mil metros quadrados, situada numa entrada do Mar Báltico a cerca de três quilómetros da costa mais próxima, não tem um serviço de ferries frequente, o que isolará os estrangeiros, que terão de se apresentar diariamente no centro da ilha - se não o fizerem, serão presos. "Vamos diminuir o número de partidas de ferries tanto quanto possível", frisou o porta-voz do People's Party sobre imigração, Martin Henrinksen, à TV 2.

Em oposição, a vice-diretora executiva do Instituto Dinamarquês para os Direitos Humanos, Louise Holck, garantiu que a sua organização vai observar a situação "de muito perto" por possíveis violações das obrigações internacionais da Dinamarca, país no qual foi obtida, tal como em outros na Europa, uma reação populista e nacionalista ao aumento de migrações oriundas de África e do Médio Oriente em 2015 e 2016.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.