Detido suspeito de 11 mortes em posto militar em Cabo verde

O suspeito das 11 mortes num posto militar em Cabo Verde foi detido ao início da tarde de hoje no bairro da Fazenda, na cidade da praia, anunciou a Polícia Nacional.

O suspeito tinha feito um taxista como refém quando foi detido e foi levado para a esquadra da Achada de Santo António, bairro mais populoso da Praia, onde já está um grande aparato policial, muitos jornalistas e populares.

A identificação do suspeito foi já confirmada pelas autoridades como sendo Manuel António Silva Ribeiro, de 22 anos, militar há cerca de um ano.

O militar é suspeito da morte de 11 pessoas - 08 militares e três civis -, incluindo dois espanhóis, no Centro Retransmissor de Monte Txota, no conselho de São Domingos, interior da ilha de Santiago.

Os corpos das 11 vítimas foram descobertos durante a manhã de terça-feira, mas o ministro da Administração Interna de Cabo Verde, Paulo Rocha, disse hoje que "se presume" que as mortes terão ocorrido entre as 09:30 e as 10:00 de segunda-feira.

Em conferência de imprensa, também ao final da manhã, o ministro disse ainda que se aguardam os resultados das perícias médico-legais aos corpos, que deverão estar concluídas até ao fim do dia de hoje, para poder determinar a hora da morte exata.

Questionado sobre o facto de terem passado quase 24 horas entre o ataque e o alerta às autoridades, Paulo Rocha admitiu que não "é normal" um posto militar ficar tanto tempo sem contactar o comando.

Contudo escusou-se a tecer considerações sobre o que se terá passado.

"Não é normal e será devidamente averiguado a devido tempo. Agora o foco é na situação de hoje e no suspeito e no apoio e consolo aos familiares das vítimas", disse.

"A devido tempo falaremos do funcionamento e daquilo que se passou em termos de cumprimento de regras e de protocolos com o destacamento militar", acrescentou.

O ministro, que falava à imprensa antes de ser confirmada a detenção do suspeito, disse que um efetivo misto com elementos da Polícia Judiciária, Polícia Nacional e Forças Armadas, desenvolvia operações em várias zonas da capital cabo-verdiana.

Adiantou que as autoridades continuam a trabalhar na tese de um único suspeito e não forneceu pistas sobre as motivações do crime.

Questionado sobre como foi possível uma única pessoa conseguir matar 11, oito das quais também militares, Paulo Rocha disse que "uma pessoa na posse de uma arma de fogo pode tudo".

"A investigação trará a devida resposta. Temos que ser pacientes", disse Paulo Rocha, que até ir para o Governo, liderava os Serviços de Informação da República de Cabo Verde.

O presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, lamentou a morte de 11 pessoas num posto militar no interior da ilha de Santiago, adiantando que acompanha "muito de perto" a investigação.

"Dos tristes acontecimentos conhecidos hoje e ocorridos em Monte Txota, há que, em primeiro lugar, lamentar as vítimas, exprimir a nossa dor e a nossa solidariedade para com os familiares", escreveu Jorge Carlos Fonseca numa mensagem colocada na sua página pessoal na rede social Facebook.

O chefe de Estado cabo-verdiano endereçou também "sentimentos de pesar e de solidariedade" às autoridades espanholas, através da embaixadora acreditada em Cabo Verde.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.