Detidas mais de 40 pessoas numa operação contra a máfia nos Estados Unidos

Todos os detidos estão relacionados com um mesmo grupo criminoso composto por quatro das cinco grandes famílias da 'Cosa Nostra' nova-iorquina - Gambino, Genovese, Luchese e Bonanno

As autoridades norte-americanas anunciaram hoje a prisão de mais de 40 pessoas numa operação contra a máfia em cinco estados do país.

Todos os detidos estão relacionados com um mesmo grupo criminoso composto por quatro das cinco grandes famílias da 'Cosa Nostra' nova-iorquina - Gambino, Genovese, Luchese e Bonanno- e pelos seus parceiros de Filadélfia, segundo uma acusação tornada pública pela Procuradoria federal em Nova Iorque.

Entre outros delitos, a organização com sede na costa leste dos Estados Unidos é acusada de extorsão, fraude, tráfico de armas, contrabando de cigarros e apostas ilegais.

Vários dos detidos estão acusados também por crimes violentos e as autoridades destacam o "clima de medo" imposto pelos alegados mafiosos nas suas comunidades, através do assédio e ameaças.

As detenções foram levadas a cabo nos estados de Nova Iorque, Nova Jersey, Connecticut, Massachusetts e Florida e incluem várias hierarquias, incluindo chefes da organização criminosa.

Segundo a acusação, Pasquale Parrello, Eugene O'Nofrio e Joseph Merlino -- alegado chefe máximo da máfia de Filadélfia- supervisionavam e controlavam as operações do grupo, enquanto outros detidos executavam as ordens.

O processo aberto em Nova Iorque inclui 46 nomes, dos quais 39 foram detidos hoje, enquanto outros já estavam sob custódia e três ainda não foram capturados.

Os acusados, com idades entre 24 e 72 anos, enfrentam penas máximas de 20 anos de prisão.

Além do caso tornado público em Nova Iorque, o estado de Massachussetts acusa cinco alegados membros da família Genovese de vários crimes de extorsão.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.