Detetados vestígios de explosivos nas vítimas do avião da EgyptAir que caiu ao mar

Um português morreu na queda do avião, que fez 66 vítimas mortais

As autoridades egípcias detetaram vestígios de explosivos nos restos mortais das vítimas da queda de um avião da EgyptAir que fazia a ligação Paris-Cairo, a 19 de maio, e que resultou em 66 mortos, entre os quais um português.

De acordo com o ministério egípcio da aviação, a comissão de inquérito à queda do avião já enviou estes elementos à procuradoria. De acordo com a lei egípcia, o procurador está obrigado a pegar no caso "se ficar claro aos olhos da comissão de inquérito (sobre a queda) que existem suspeitas de que a incidente teve origem criminosa".

O voo MS804 caiu no Mediterrâneo entre a ilha de Creta e a costa norte do Egito depois de ter desaparecido subitamente dos radares. Todas as 66 pessoas a bordo morreram na queda do aparelho.

Os investigadores franceses privilegiaram a hipótese de uma ocorrência técnica, enquanto as autoridades egípcias se inclinaram para a hipótese de um atentado terrorista.

Uma das caixas negras resgatadas revelou que foram acionados alertas de fumo a bordo antes de o Airbus A320 ter caído.

Exclusivos