Deputado australiano pega fogo a rio para demonstrar poluição

"Inacreditável!", diz o deputado, após aproximar um isqueiro das bolhas na água do rio, que se incendeiam rapidamente

O deputado australiano Jeremy Buckingham queria chamar a atenção para o que acredita ser um problema ambiental devido a práticas de fracking na sua região, e fê-lo com um isqueiro. Num vídeo que entretanto já correu mundo, Buckingham pega fogo a um rio na região australiana de Queensland, para tentar alertar para aquilo que diz ser metano na água.

O deputado do partido australiano dos Verdes publicou o vídeo na sua página de Facebook, onde é possível ver Buckingham num pequeno barco com um isqueiro a fazer faísca perto das águas. Imediatamente a água irrompe em chamas, surpreendendo mesmo o próprio deputado, que grita, após uns impropérios: "Incrível! Um rio em chamas!"

Segundo Buckingham, as chamas devem-se à presença de grandes quantidades de metano na água do rio, que atribui à prática de fracking a "menos de um quilómetro" de distância do local onde as imagens foram filmadas. Mesmo algum tempo depois de Buckingham ter ateado o fogo, quando já se encontra a alguma distância, as chamas permanecem.

"Este é o futuro da Austrália se não pararmos os frackers que querem espalhar-se por todos os estados e territórios", afirma Buckingham.

Além de ser inflamável, o gás metano é um forte gás de efeito de estufa, cuja expulsão para a atmosfera contribui para o aquecimento global.

Fracking, ou fraturação hidráulica, é uma técnica de extração de gás natural a partir da rocha no subsolo que já causou grande controvérsia nos Estados Unidos, onde é amplamente utilizada, e no Reino Unido, onde se está a tentar regulamentá-la. Agora, é na Austrália que este deputado tenta chamar a atenção para os potenciais riscos ambientais desta técnica de produção de energia.

À agência noticiosa Agence France Presse, a empresa Origin Energy, que é responsável pela exploração de fracking na região de Queensland, afirmou que não existem riscos ambientais nem para a segurança pública na situação denunciada por Buckingham. "Este gás, que surge naturalmente, é inflamável quando se lhe aproxima uma chama. Percebemos que isso possa parecer preocupante, mas não existem riscos nem para o ambiente, nem para a segurança pública", disse fonte da empresa.

A experiência de Jeremy Buckingham faz lembrar o célebre incêndio do rio Cuyahoga, nos Estados Unidos em 1969. O rio, no estado norte-americano do Ohio, incendiou-se devido aos elevados níveis de poluição, acontecimento que marcou uma aceleração do movimento ambientalista nos EUA.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG