Democratas prometem investigar Kavanaugh se reconquistarem Congresso

Jerrold Nadler, apontado como o próximo presidente da comissão judiciária do Congresso, diz que a investigação do FBI ao novo juiz do Supremo Tribunal não passou de "uma lavagem"

Os Democratas não se conformam. Com a anunciada nomeação do juiz Brett Kavanaugh para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos, prometem reabrir a investigação às suspeitas de abusos sexuais e perjúrio do homem escolhido pelo presidente Donald Trump.

A promessa é feita por Jerrold Nadler, apontado como o próximo presidente da comissão judiciária do Congresso, caso os democratas ganhem as eleições intercalares de novembro. As sondagens dão-lhes uma vitória quase certa.

Congressista por Nova Iorque, Nadler diz que os republicanos e o FBI deixaram que a investigação ao juiz Kavanaugh "não fosse mais do que uma lavagem", pondo assim em causa a credibilidade do Senado.

"Não temos qualquer prazer em fazer isto", citou o jornal New York Times, "mas se o Senado falhou o seu mandato constitucional, cabe-nos a nós manter a legitimidade de uma das mais importantes instituições de manutenção da lei."

A hipótese de impeachment foi colocada em cima da mesa, se se comprovarem as suspeitas de abuso sexual de que Kavanaugh foi acusado por três mulheres - Christine Blasey Ford, Deborah Ramirez e Julie Swetnick.

A isto acresce a acusação de perjúrio. Os democratas acreditam que o juiz pode ter mentido sob juramento acerca dos seus hábitos de bebida.

Kavanaugh já respondeu perante a comissão judiciária do Senado, mas a oposição rejeita os resultados e acusa a investigação de só ter ouvido dez pessoas e falhar no seguimento de pistas óbvias. O FBI considerou o processo "inconclusivo".

Os republicanos respondem que os democratas nunca estarão satisfeitos com investigação alguma e acusam os democratas de organizarem uma campanha para descredibilizar Kavanaugh a qualquer custo.