Cameron demite-se. "Não estaria certo eu dirigir o país para o próximo destino"

O primeiro-ministro vai manter-se no cargo até outubro, quando é designado o novo líder do Partido Conservador

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou hoje a intenção de se demitir em outubro, na sequência do referendo em que os britânicos decidiram pela saída do Reino Unido da União Europeia.

"Os britânicos tomaram uma decisão clara [...] e penso que o país precisa de um novo líder para tomar essa direção", disse David Cameron, que fez campanha pela permanência do Reino Unido na UE.

"Penso que não estaria certo eu tentar dirigir o país para o seu novo destino. Penso que o correto é que esse novo primeiro-ministro acione o artigo 50.º", acrescentou.

Cameron referia-se ao artigo do Tratado de Lisboa que afirma que "qualquer Estado-Membro pode decidir, em conformidade com as respetivas normas constitucionais, retirar-se da União".

O primeiro-ministro britânico precisou que se manterá no cargo até ao outono e à designação de um novo líder do Partido Conservador no congresso previsto para outubro.

O Reino Unido votou na quinta-feira a favor da saída da União Europeia, com 52% votos no "Sair" ("Leave") e 48% no "Permanecer" ("Remain"), num referendo com uma participação eleitoral de 72%.

Siga aqui o Brexit, minuto a minuto.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG