D. Joãozinho oferece quadros de D. Pedro II para ajudar a reerguer o museu nacional

Descendente da família real brasileira garantiu que vai ajudar na reconstrução do museu nacional. E lamentou a má gestão de dinheiro no país.

"Chocado, triste e com raiva". Foi desta forma que D. João Henrique de Orleans e Bragança disse sentir-se após visitar o que restou do Museu Nacional do Brasil destruído por um incêndio que deflagrou no domingo. Trineto de D. Pedro II e bisneto da princesa Isabel, o empresário e fotógrafo afirmou que pretende emprestar parte do espólio da família para ajudar a reerguer a instituição fundada por D. João VI, em 1818.

Citado pelo jornal O Globo D. Joãozinho, como é conhecido, disse esperar que este incêndio seja "um marco para a reconstrução de valores do povo brasileiro".

Lembrou também que o trisavô quando foi para o exílio - D. Pedro II que foi o último imperador do Brasil foi deposto em 1889 e morreu em Paris em 1891 - deixou grande parte do seu espólio no país.

Agora, o empresário diz que quer ajudar a reconstrução do museu cedendo quadros e fotos de D. Pedro II.

"O leite está derramado. Quem quer que diga que o prédio vai ser reconstruído não está dizendo a verdade. Este é um reflexo do Brasil de hoje, todo o mundo é culpado. O Brasil tem dinheiro, mas ele é mal gasto, jogado fora", concluiu.

No fogo que destruíu grande parte do palácio situado na Quinta da Boa Vista (Rio de Janeiro) perderam-se milhares de peças de um espólio que começou a ser reunido há mais de 200 anos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.