Tribunal Constitucional italiano abre a porta à morte assistida

Juízes decidem que "não é punível" ajudar um doente terminal a morrer.

A decisão está a ser classificada pela imprensa italiana como "histórica": o Tribunal Constitucional de Itália determinou que "não é punível" ajudar um doente terminal a morrer.

A sentença resulta de um processo movido a Marco Cappato, ex-eurodeputado que em 2017 levou Fabiano Antoniani, mais conhecido como DJ Fabo, a uma clínica na Suíça para que este pudesse pôr termo à vida.

Para o Constitucional italiano quem está numa situação como a de Fabiano Antoniani, tem o direito de ser ajudado a morrer.

O caso de DJ Fabo veio juntar-se ao de Eluana Englaro, uma mulher que passou 17 anos em coma até que a sua família conseguisse autorização da Justiça para interromper a alimentação artificial, um caso datado de 2009 em que o governo - então liderado por Silvio Berlusconi - e o Vaticano moveram uma forte oposição à pretensão da família.

O Tribunal Constitucional instou então o parlamento italiano a legislar sobre esta matéria, apontando como data limite o dia 24 de setembro de 2019 - a última terça-feira. Mas nada aconteceu. Agora, os juízes voltam a tomar uma decisão no mesmo sentido, aumentando a pressão sobre o legislador.

"Um inferno de dor"

O caso de DJ Fabo ganhou grande repercussão mediática nos últimos anos. Em junho de 2013 um acidente de automóvel deixou-o tetraplégico e cego - perdeu o controlo do carro (ter-se-á baixado para apanhar o telemóvel) e acabou por embater noutra viatura. Nem mesmo os tratamentos experimentais a que se sujeitou lhe proporcionaram uma melhoria da qualidade de vida, levando-o a apelar repetidamente ao parlamento italiano para que despenalizasse a morte assistida, sem qualquer sucesso.

O músico, que tinha 40 anos quando morreu, em 2017, chegou a escrever ao presidente italiano, dizendo na carta que se sentia preso numa jaula e "gostaria de poder morrer sem sofrer". Sem resposta, e com receio que a mãe ou a namorada acabassem condenadas a 12 anos de prisão - a pena prevista na lei italiana - acabou por pedir ajuda a Marco Cappato, líder do Partido Radical, historicamente favorável à despenalização da eutanásia.

E foi o ex-eurodeputado que levou DJ Fabo a uma clínica de Zurique, denunciando-se posteriormente à justiça, no que classificou como um ato de desobediência civil para suscitar o debate sobre a eutanásia e a morte assistida.

Num último testemunho, já gravado na Suíça, o músico diria: "Finalmente, cheguei à Suíça. Infelizmente cheguei sozinho e sem a ajuda do meu país". E deixou então um agradecimento a Cappato, por o ter arrancado "deste inferno de dor, dor, dor". Foi o próprio político que, em 2017, deu a notícia da morte de Dj Fabo.

Cappato já veio felicitar a decisão dos juízes. "O conselho decidiu. Quem está na condição de Fabo tem o direito de ser ajudado. A partir de hoje somos todos mais livres, mesmo aqueles que discordam. É uma vitória da desobediência civil, enquanto outros desviam a cabeça", escreveu no twiter, concluindo: "Espero-vos no congresso".

Papa Francisco contra "caminhos apressados" que não são "expressão de liberdade"

No último sábado, em vésperas do fim do prazo que o Constitucional tinha dado ao parlamento para legislar, o Papa Francisco referiu-se à questão da morte assistida para defender que se deve rejeitar a tentação de usar a medicina para satisfazer o pedido de morte de um paciente, prestar assistência ao suicídio ou causar a morte através da eutanásia.

"Não há direito de descartar arbitrariamente a própria vida", disse Francisco, defendendo que esses "são caminhos apressados diante de escolhas que não são, como podem parecer, uma expressão da liberdade de uma pessoa".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG