Confrontos entre polícia israelita e palestinianos na Esplanada das Mesquitas

Festival muçulmano em Jerusalém coincide este domingo com o feriado judeu que evoca a destruição dos templos de Salomão.

A polícia israelita e palestinianos entraram domingo em confronto na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém, no primeiro dia do Eid al-Adha (festival muçulmano), segundo um jornalista da agência noticiosa AFP no local.

Devido às tensões na região, a polícia israelita bloqueou o acesso da esplanada a judeus que comemoram no mesmo dia um feriado religioso importante, Ticha Beav, que é um dia de jejum e luto pela duas destruições do templo de Salomão -- uma realizada pelos babilónicos e outra pelos romanos.

O Eid al-Adha é um festival muçulmano de quatro dias, chamado de festival do sacrifício, que sucede ao período da peregrinação dos muçulmanos a Meca.

De acordo com a agência de notícias Associated Press (AP), ainda não ficou claro quem começou os confrontos nesta área sagrada para os dois povos.

Também hoje, um palestiniano abriu fogo contra soldados israelitas na fronteira de Gaza, e foi depois morto pelas forças israelitas, sendo esta a terceira troca mortal de tiros junto ao enclave palestiniano nos últimos dias.

O exército israelita referiu que "neutralizou" o palestiniano que "se aproximou da cerca de segurança no norte da Faixa de Gaza", território controlado pelo movimento islâmico Hamas, e "abriu fogo" contra os seus soldados.

"Como resultado desse incidente, um tanque israelita disparou contra um posto militar da organização terrorista Hamas na mesma área", acrescentou o exército, acrescentando que não houve baixas do lado das tropas israelitas.

O Ministério da Saúde do Hamas em Gaza confirmou a morte do palestiniano de 26 anos, de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, cujo corpo foi levado para um hospital local.

No sábado, o exército israelita disse ter matado quatro palestinianos armados com fuzis de assalto, lança-foguetes e granadas que tentaram infiltrar-se em Israel no sul da Faixa de Gaza.

Em 01 de agosto, dois soldados israelitas ficaram ligeiramente feridos e um oficial ficou mais gravemente ferido pelo disparo de um palestiniano que cruzou a fronteira e foi morto por soldados.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou hoje que o Hamas "é responsável por qualquer agressão a Gaza".

No início desta semana, um jovem soldado israelita que não usava uniforme nem arma foi encontrado morto, esfaqueado, perto de um colonato judaico na Cisjordânia ocupada.

As autoridades israelitas anunciaram hoje que prenderam dois suspeitos pelo assassínio do soldado Dvir Sorek, morte que chocou Israel.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.