Condenado à morte líder de gangue que violou e matou jovem de 14 anos

A mãe da vítima, presente no tribunal, gritou em protesto após a leitura da sentença, uma vez que exigia que todos os outros quatro acusados também fossem condenados à morte

O líder de um gangue indonésio que violou coletivamente e assassinou uma estudante de liceu de 14 anos foi esta quinta-feira condenado à morte, enquanto quatro outros acusados apanharam cada um 20 anos de cadeia.

O crime aconteceu em abril. A jovem regressava a casa vinda da escola, quando foi atacada, violada coletivamente e assassinada por um grupo de rapazes e homens.

Um tribunal da ilha de Sumatra ocidental condenou à morte o líder do grupo, conhecido por Zainal, e condenou quatro outros acusados a 20 anos de cadeia cada um. Na Indonésia a execução de um condenado dá-se por pelotão de fuzilamento.

O polémico caso levantou uma onda de indignação na sociedade indonésia, motivando debate sobre as falhas no combate ao crimes de violência sexual. No entanto, também levou à introdução de penas mais duras para crimes sexuais contra crianças.

Em maio, o presidente da Indonésia, Joko Widodo, decretou novas penas contra condenados por crimes sexuais contra crianças, incluindo a pena de morte como pena máxima, a castração química e a obrigatoriedade de os pedófilos (condenados em tribunal) usarem uma pulseira eletrónica.

Após as autoridades terem descoberto numa floresta o corpo da jovem, atada e despida, a polícia indonésia deteve 13 pessoas suspeitas de terem participado. Um outro suspeito continua a monte.

Zainal, um jovem de 23 anos que - como é costume na Indonésia - é conhecido apenas por um nome, foi condenado à morte por homicídio premeditado, um crime que já era punido com a morte antes de as novas leis terem sido introduzidas.

"Foi este acusado quem persuadiu os outros acusados (a cometer o crime)", considerou o juiz Heny Farida no tribunal da cidade de Curup, numa justificação para a sentença emitida.

A mãe da vítima, presente no tribunal, gritou em protesto após a leitura da sentença, uma vez que exigia que todos os outros quatro acusados fossem condenados à morte.

Os outros envolvidos no caso, todos menores, já tinham sido condenados a penas de prisão, na maioria dos casos a 10 anos de reclusão.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.