Comissária de bordo em coma após contrair sarampo. Companhia alerta passageiros

Uma comissário de bordo da companhia israelita El Al entrou em coma depois de ficar doente com sarampo. O último voo que fez foi do aeroporto JFK de Nova Iorque para Telavive. Companhia alerta passageiros.

Uma comissária de bordo da El Al, a companhia aérea israelita, está em coma depois de ter ficado doente com o sarampo, após fazer um voo de Nova Iorque para Telavive, anunciou o Ministério da Saúde de Israel.

A mulher, de 43 anos, sofreu uma encefalite (inflamação e infeção do cérebro) que pode ser desencadeada pelo vírus do sarampo, segundo disse ao The New York Times Eyal Basson, porta-voz do ministério.

A encefalite afeta uma em cada mil mil pessoas que contraem o vírus do sarampo, mas é mais comum em crianças com menos de 5 anos e adultos com mais de 20. Pode causar dano cerebral permanente, surdez e, até, a morte.

As autoridades de saúde israelitas alertaram os passageiros do voo 002 da El Al - com saída do aeroporto John F. Kennedy a 26 de março e desembarcaram em Israel um dia depois - para estarem atentas aos sintomas e procurarem um médico se tiverem febre.

Os sintomas, que podem incluir também tosse, coriza (inflamação da mucosa nasal), olhos vermelhos, sensibilidade à luz e uma erupção vermelha escura, aparecem entre 10 a 14 dias após a exposição ao sarampo, com uma variação possível de 6 a 21 dias.

As autoridades de saúde israelitas enviaram uma carta às transportadoras aéreas recomendando que todo o pessoal fosse imunizado com duas doses da vacina contra o sarampo. "As companhias aéreas iniciaram a implementação da recomendação", afirmou Eyal Basson. A El Al disse que estava a seguir as diretrizes da tutela sem comentar o caso da hospedeira.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo informou que não rastreia se as companhias aéreas exigem a vacinação contra o sarampo, mas sublinhou que a maioria dos países tem leis que proíbem os empregadores de insistir com os funcionários para receberem imunizações.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.