Colisão de dois navios provoca derrame de petróleo

Parte do combustível derramado alcançou as águas vizinhas de Singapura

A colisão de um navio de bandeira de Singapura e outro registado em Gibraltar nas águas do sul da Malásia provocou um derrame de 300 toneladas de petróleo, informaram hoje fontes oficiais.

O navio de Singapura, Wan Hai 301, e o de Gibraltar, APL Denver, colidiram por volta da meia-noite de terça-feira em frente ao porto de Johor, na Malásia, e o derrame alastrou-se a águas singapurenses, de acordo com a Autoridade Portuária de Singapura, citada pela agência Efe.

O APL Denver informou que um dos seus tanques havia sido danificado e que se tinha dado o derrame, o que levou à atuação das autoridades malaias para tentar conter a disseminação de petróleo.

Parte do combustível derramado alcançou as águas vizinhas de Singapura, que envolveu oito navios numa operação de limpeza do derrame.

As autoridades que investigam o acidente indicaram que não houve feridos, assim como o mesmo não provocou atrasos no tráfego marítimo.

O estreito de Singapura, que liga o estreito de Malaca e o Mar da China meridional, é uma das passagens marítimas mais concorridas do mundo.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.