"Coletes amarelos". Lusodescendente salvou polícia de ser linchado no Arco do Triunfo

Podia ter acontecido o pior, mas estava lá Miguel Henriques Paixão, lusodescendente, para salvar um polícia da violência dos manifestantes. Uma imagem contracorrente dos acontecimentos que no sábado deixaram Paris a ferro e fogo

A imagem protagonizada Miguel Henriques Paixão mostra o contrário daquilo que se passou no sábado violento em Paris: um "colete amarelo" corre em socorro de um polícia antimotim e salva-o de ser linchado pelos manifestantes.

Esse homem, que agiu contra a corrente no dia em que a capital francesa ficou a ferro e fogo, chama-se Miguel Henriques Paixão e é lusodescendente. Nos dois últimos dias deu entrevistas para dizer de sua justiça: não, não é um polícia infiltrado, sim é um "colete amarelo". Só não gosta de violência gratuita e era isso que, considera, se estava a passar quando um enxame de manifestantes caiu violentamente sobre um polícia antimotim, pontapeando-o sem dó nem piedade, no corpo e na cabeça, de onde lhe já tinha saltado o capacete.

"Nas redes sociais, disseram que eu era um polícia infiltrado. Sou um cidadão normal, trabalhador, não faço parte de nenhum sindicato. Sou um 'colete amarelo'. É tudo. Ponto", disse Miguel Henriques Paixão à televisão francesa.

No video que a Fance 2 mostra, vê-se o polícia caído no chão a ser pontapeado por vários homens. Um "colete amarelo", de máscara e de óculos, pega-lhe pelo braço e tira-o dali. O polícia corre, de capacete na mão, e ainda olha para trás.

A versão dos acontecimentos por Miguel Paixão é esta: "Vi o CRS carregar sobre os manifestantes, então aproximo-me para ver o que está a acontecer, e certa altura vejo que há um CRS que está com problemas. Estou atrás do gás lacrimogéneo e, a certo momento, vejo que o capacete dele se solta e que está a levar pontapés na cabeça. Então corri para tentar ajudá-lo. Simplesmente isso."

É esse momento em que fica registado em vídeo - Miguel Henriques Paixão, de "colete amarelo" e máscara para se proteger do gás lacrimogéneo, óculos escuros, numa imagem associada aos inflitrados de extrema-direita e extrema esquerda, vai buscar o polícia e coloca-o a salvo. O lusodescendente passa a ser uma estrela das redes sociais, com muitos a agradecerem-lhe o gesto e outros a criticá-lo e até a ameaçá-lo.

"Disse a toda a gente à minha volta para parar de lhe bater e afastei-me com ele em segurança"

"Vi que tinha havido uma carga da polícia e vi vários 'coletes amarelos' caídos, fui ajudá-los, mas depois vi que um polícia estava a ser isolado, tinha caído no chão e começaram a pontapeá-lo. Aí, eu nem pensei, disse a toda a gente à minha volta para parar de lhe bater e afastei-me com ele em segurança", contou, por outro lado, à Lusa.

A identidade deste "colete amarelo" foi revelada depois de um apelo televisivo do Sindicato da Polícia para encontrar o manifestante que tinha ajudado o polícia em apuros nos acontecimentos do Arco do Triunfo no último sábado.

"Estamos fartos de ser governados por pessoas que vivem às nossas custas, ganham bons salários e não fazem nada por nós. O Macron é pior porque olha para nós de alto e é demasiado arrogante. É como se ele fosse o rei e nós os seus súbditos", afirmou à Lusa, recusando que o espírito do movimento esteja deturpado, com a presença de infiltrados pertencentes a grupos radicais.

Os movimentos de extrema-direira e extrema-esquerda estão a ser acusados de se infiltrarem no movimento e apontados como responsáveis pelos violentos desacatos.

Miguel não tem a certeza que vá estar presente na manifestação do próximo sábado - a quarta desde que o movimento social, sem líderes e sem partido, cresceu nas redes sociais, primeiro contra a nova taxa ambiental que aumenta o preço dos combustíveis, depois também contra o nível de vida em França. "Estava a pensar ir, mas tenho a impressão de que o movimento está a dispersar-se e tenho medo que aconteçam coisas mais graves desta vez."

Das três jornadas nacionais que os "coletes amarelos" já realizaram, a de sábado, 1 de dezembro, foi a mais grave. Em Paris, foi como se um rasto de violência tivesse varrido a cidade - carros incendiados, montras de lojas e de bancos partidas, edifícios vandalizados. Nem o Arco do Triunfo, símbolo nacional, escapou à fúria dos manifestantes que grafitaram os pilares que sustenta o monumento e destruíram o espaço museológico. Quando chegou na manhã de domingo da Argentina, onde participou na cimeira do G20, simbolicamente, Emmanuel Macron fez questão de visitar o monumento. E depois reuniu o governo de emergência.

Com Lusa

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.