Cirurgião plástico 'Doutor Bumbum' procurado no Brasil após morte em operação clandestina

O cirurgião plástico Denis Furtado, conhecido como 'Doutor Bumbum', é procurado desde terça-feira pelas autoridades brasileiras por causa de uma operação clandestina que resultou na morte de uma paciente, no Rio de Janeiro.

Seduzida pelas fotos do 'antes' e 'depois' das operações publicadas pelo cirurgião de 45 anos, que se intitula de 'Doutor Bumbum' e é seguido por mais de 650 mil pessoas no Instagram, Lilian Quezia Calixto, funcionária de um banco, não hesitou em viajar mais de dois mil quilómetros de Cuiabá, no estado de Mato Grosso, para o Rio de Janeiro.

Operada no último domingo no apartamento de Denis Furtado, na Barra da Tijuca, um bairro rico do Rio de Janeiro, sentiu-se indisposta e teve que ser hospitalizada.

Após quatro paragens cardíacas, acabou por morrer. Denis Furtado desapareceu e a sua namorada, que era também sua assistente, foi detida.

Procurado pela polícia

Acusado de homicídio e conspiração criminosa, o cirurgião é procurado pelas autoridades do Brasil, o segundo país do mundo onde são praticadas mais cirurgias estéticas, depois dos Estados Unidos. A mãe, que também assistia nas operações clandestinas que realizava, também.

O cirurgião usou uma controversa técnica de aumento das nádegas, injetando polimetilmetacrilato (PPMA).

A paciente "não apresentou qualquer complicação" durante a intervenção, disse Naira Baldanza, advogada de Denis Furtado, citada pelo site de notícias brasileiro G1. "Qualquer conclusão sobre a morte de Lilian e a possível responsabilidade do meu cliente (...) é prematura", acrescentou.

Segundo um comissário de polícia da Barra Tijuca, também citado pelo G1, a diretora do hospital onde a paciente foi transferida afirmou, na sua declaração à polícia, que Lilian Quezia Calixto "ainda estava lúcida e descreveu o que tinha acontecido".

"Não se pode praticar cirurgia plástica num apartamento"

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Estética (SBPC) denunciou uma "invasão de não-especialistas que têm causado cada vez mais casos fatais como este".

"Não se pode praticar cirurgia plástica num apartamento. Muitas pessoas vendem uma ilusão, uma fantasia, desprovida de qualquer ética, para pessoas fragilizadas, atraídas por preços baixos", disse o presidente da SBPC, Niveo Steffen, à agência de notícias France-Presse.

O mesmo responsável explicou que o aumento da injeção de biopolímeros glúteos, também chamada de bioplastia, apresenta muitos riscos e causou a morte de dezenas de mulheres na América Latina, incluindo a Venezuela.

O caso do "Doutor Bumbum" mostra uma certa "banalização das cirurgias estéticas realizadas por não especialistas, que às vezes nem são médicos e colocam a população em risco", sublinhou Steffen.

Segundo o G1, o cirurgião, que também atuava em Brasília, foi acusado quatro vezes pela polícia do Distrito Federal de exercício ilegal da medicina e crimes contra o consumidor.

Amigos de Liliana Calixto culpam o médico

Nas redes sociais, amigos e familiares de Liliana Calixto acusam Denis Furtado de negligência, escreve o jornal O Dia. "Minha cunhada Lilian Calixto foi vítima desse ser desumano, hoje foragido da polícia, e o meu irmão e minha sobrinha sofrendo as dores dessa grande perda. Estou de coração partido e com ódio de pessoas irresponsáveis", escreveu a cunhada.

Liliana Calixto tinha 46 anos, era casada e deixa dois filhos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.