Cinco polícias suspeitos de conduta indevida em morte de jovem português em Londres

Família do português alega que o jovem de 25 anos foi vítima de violência policial

Cinco agentes da polícia britânica poderão ser acusados de conduta indevida durante a operação que resultou na morte do jovem português Edir Frederico da Costa em Londres, informou esta terça-feira a Comissão Independente de Queixas contra a Polícia (IPCC).

Conhecido pelos próximos como Edson, o jovem de 25 anos morreu a 21 de junho no hospital de Newham, depois de vários dias internado.

A família do português, residente no Reino Unido desde 1996, alega que o jovem foi vítima de violência dos agentes que tentaram prender em 15 de junho, durante uma operação policial.

Seguindo os procedimentos neste tipo de casos em que há consequências e suspeitas graves sobre a intervenção da polícia, a IPCC abriu na altura um inquérito ao caso e hoje anunciou que vai notificar formalmente cinco agentes da Polícia Metropolitana [Metropolitan Police Service].

Em causa está uma potencial conduta indevida [misconduct] ao nível da assistência dada a Edson Costa durante a imobilização e depois que ele ter ficado indisposto.

"A IPCC agora está a investigar essa potencial conduta indevida - no entanto, a notificação de negligência dos agentes não indica culpa, nem significa que se siga um processo por conduta indevida", frisa o comunicado.

Uma acusação de conduta indevida, dependendo se o agente é responsável por negligência dos seus deveres ou por ter cometido uma irregularidade de forma intencional, pode resultar em processo disciplinar ou num processo crime.

A família reagiu de forma positiva ao anúncio de possíveis processos por conduta indevida, mas quer que seja libertada mais informação.

"A nossa principal preocupação está em estabelecer se existem algumas provas de falhas da parte da polícia na morte do Edson. Esperamos que a investigação da IPCC seja abrangente e rigorosa", afirmou, numa declaração enviada à agência Lusa.

Tom Milsom, comissário adjunto da IPCC, disse estar consciente da inquietação causada pelas circunstâncias da morte de Edson Costa.

"Além de fornecer atualizações regulares à família e de comunicar com os agentes envolvidos, quando for apropriado informaremos a comunidade em geral sobre o progresso de nossa investigação independente", prometeu.

Desde a abertura da investigação, adiantou, foram recolhidas declarações de testemunhas chave, incluindo agentes policiais, pessoal médico e civis, assim como vídeos, incluindo as imagens de vídeo capturadas pelas câmaras de corpo durante os primeiros socorros administrados ao português.

Porém, referiu que o médico legista ainda não apurou a causa da morte nem revelou os resultados da análise ao conteúdo de várias cápsulas retiradas da garganta do português.

Numa primeira fase, a IPCC Indicou que a autópsia preliminar não tinha encontrado fraturas no pescoço, lesões na coluna ou hemorragia cerebral que indicassem o uso de força excessiva.

Mas vários elementos da família denunciaram suspeita de violência policial devido ao estado em que o jovem foi internado no hospital e testemunhos dos dois amigos que acompanhavam Edson na noite de 15 de junho.

Ginário da Costa contou à agência Lusa o filho foi pulverizado a curta distância na cara com gás lacrimogéneo CS pelos agentes e depois imobilizado no chão por dois polícias durante vários minutos.

Só quando se aperceberem de que o português estava inconsciente é que chamaram os serviços de emergência.

No hospital, o inchaço visível nos olhos e no pescoço alimentaram a suspeição de que Edson teria sido alvo de excesso de violência, disse o pai.

A 25 de junho, uma manifestação contra o incidente resultou em confrontos com a polícia e distúrbios na zona de Forest Gate, com o atear de caixotes de lixo e arremesso de pedras, causando 14 polícias feridos e resultaram em cinco detenções

A família do jovem português lançou uma campanha que pretende fazer um apelo ao 'Mayor' de Londres, Sadiq Khan, para suspender os agentes envolvidos e ajudar no esclarecimento das circunstâncias da morte.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.