Cinco pessoas detidas pelo envolvimento no ataque ao mercado Natal de Estrasburgo

Os detidos pertencem à mesma família e são suspeitos de terem fornecido a arma utilizada no ataque de dezembro que fez cinco mortos

Cinco pessoas suspeitas de estarem envolvidas no fornecimento da arma utilizada pelo autor do atentado de 11 de dezembro de 2018, em Estrasburgo, foram detidas esta terça-feira na Alsácia, no leste da França, segundo fontes próximas ao processo.

Os detidos, que estão sob custódia policial, pertencem à mesma família e são suspeitos, em diversos graus, de terem participado no fornecimento da pistola 8 mm a Chérif Chekatt, que matou cinco pessoas no bairro em que fica o mercado de Natal em Estrasburgo, no leste da França.

Os investigadores permanecem nesta fase "cautelosos em compartilhar responsabilidades", comentou uma das fontes.

As detenções deverão ajudar a esclarecer o papel de cada um dos suspeitos neste caso, incluindo o homem mais velho, de 78 anos.

Três outros homens, de 65, 34 e 32 anos, também foram detidos, assim como uma mulher de 57 anos.

A polícia da subdireção antiterrorista (SDAT) declarou que Chérif Chekatt é suspeito de ter obtido a arma de fogo poucos dias antes do atentado em Estrasburgo. A arma em questão é um revólver de calibre 8 mm que remonta ao final do século XIX.

Estado Islâmico revindicou o ataque

A 11 de dezembro, Chekatt disparou indiscriminadamente sobre pessoas que passeavam no mercado de Natal no centro de Estrasburgo, leste de França, e fugiu do local, acabando por ser detetado e morto a tiro pela polícia dois dias depois, num bairro da cidade.

O ataque ao mercado de Natal em Estrasburgo fez cinco mortos e 11 feridos.

Cherif Chekatt jurou lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) num vídeo, que foi apreendido pela polícia francesa.

O Estado Islâmico reivindicou, posteriormente, a responsabilidade pelo ataque.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.