Cinco anos de prisão para a mãe que fugiu com os filhos de Itália

Espanhola alega que era vítima de violência doméstica pelo ex-companheiro. Juiz considera que a mulher "explorou o argumento de maus tratos" e retirou-lhe o poder paternal por seis anos

A pena foi pesada: dois anos e meio pelo sequestro de cada um dos dois filhos (de 12 e 4 anos) e seis anos sem poder exercer o direito paternal, o que significa que na altura em que Juana Rivas recuperar o direito a estar com os filhos o mais velho já será maior de idade. O juiz condenou-a ainda a pagar uma indemnização de 30 mil euros ao ex-companheiro, o italiano Francesco Arcuri, por danos morais e materiais e a suportar os custos judiciais totais do julgamento. O juiz Manuel Piñar considerou que a mulher "explorou o argumento de maus tratos". Políticos espanhóis e grupos de mulheres criticaram fortemente a decisão.

Ao conhecer a sentença, a mãe de Granada disse: "Estou mal, mas vou continuar a lutar". A decisão do tribunal é o culminar de um caso que abriu um debate sobre autoridade parental e violência de género em Espanha.

Teve início em maio de 2016, quando Juana Rivas chegou ao país com os filhos e nunca mais voltou a Itália, onde a família vivera nos últimos três anos. O pai dos menores denunciou a situação e um juiz espanhol ordenou que as crianças fossem entregues ao pai para que pudessem regressar a Itália.

A vice-primeira-ministra de Espanha, Carmen Calvo, disse que Juana Rivas não será presa até que a sentença seja confirmada. "Os interesses das duas crianças devem ser protegidos, mesmo nestes momentos", acrescentou, citada pela BBC.

Antonio Maíllo, líder de uma federação de partidos de esquerda na região da Andaluzia, considera a decisão "bárbara" e diz que esta estabelece um precedente preocupante. "Este país mudou, mas o poder judicial está a seguir parâmetros antiquados", afirma.

Yolanda Besteiro, presidente de outra associação de defesa dos direitos das mulheres, disse à agência de notícias espanhola Efe que a decisão foi desproporcional "porque a situação de maus-tratos não foi levada em conta", sublinhando que "demonstra a falta de empatia e ignorância sobre o que é a violência de género e como os agressores se comportam".

"Sou mãe e estava a defender os meus filhos"

A sessão no Tribunal de Granada, a 18 de julho, foi acompanhada por vários membros de grupos feministas. Segundo o El País, o interrogatório foi "duro", o promotor lembrou a Juana Rivas as inúmeras ocasiões em que esta não cumpriu as decisões judiciais. A espanhola respondeu: "sou mãe e estava a defender os meus filhos contra um pai que me maltratou física e psicologicamente", afirmou.

A sentença, que ainda pode ser objeto de recurso, vai de encontro, quase na totalidade, às pretensões de Arcuri, menos nos oitos anos que o italiano desejava ver a ex-mulher sem direito a exercer o poder paternal - o juiz sentenciou seis. O Ministério Público pedia o mesmo, à exceção da indemnização.

O advogado de Juana Rivas, José Estanislao, considera a sentença "injusta e incompreensível" e achou especialmente chocante o texto do juiz, que não considerou a denúncia de violência doméstica. "A certeza dos factos contidos nesta denúncia não é credível, porque nenhum tribunal declarou a veracidade" do alegado, disse o juiz Manuel Piñar.

Juana Rivas conheceu o companheiro em Londres e tiveram o primeiro filho. Separaram-se e em 2009 o italiano Francesco Arcuri foi condenado a 15 meses de prisão por violência contra Rivas. O casal reatou, teve outro filho e esteve junto mais três anos, em Itália.

A denúncia de maus tratos apresentada em Espanha levou um ano a chegar a Itália e até hoje não houve progressos. O juiz desvalorizou a condenação contra Arcuri, alegando que não há provas de que o italiano tenha repetido o comportamento nos anos seguintes e invocando que não foram detetados sinais de maus tratos no filho mais velho.

O juiz foi ao encontro da defesa de Arcuri, e sublinhou que Rivas "não especificou factos, datas ou locais específicos de abuso ou tortura" e que "Francesco Arcuri negou ter abusado [de Juana Rivas] após esse episódio de 2009".

"O juiz Piñar dedica parte da sua escrita a negar a existência de abusos - que não estavam a ser julgados", escreve o El País.

"O acusado foi alvo de uma campanha dos media, com conferência de imprensa incluída, em frente da qual uma tal Francisca Gomez Granados, que assumiu o papel de porta-voz e consultora jurídica de Juana Rivas, aparece", disse Piñar.

Granados é a diretora do Centro de la Mujer de Maracena, em Granada, a quem Juana Rivas se dirigiu a pedir ajuda, quando chegou a Espanha, e que assumiu a sua defesa desde o primeiro momento.

O juiz entendeu que "os factos mostram que ela [Juana Rivas] resolve separar-se, no verão de 2016, e que por si mesma ou porque alguém a aconselha, percebe que há um grande obstáculo em relação a obter a custódia dos dois filhos, por isso decide explorar o argumento de abuso".

Durante o julgamento, a mulher alegou que abandonou Itália com os dois filhos porque "não queria mais viver" sob "as torturas" do ex-companheiro e que, em Espanha, não lhe devolveu as crianças, apesar de conhecer as decisões judiciais que a forçavam a fazê-lo, porque estava a tentar "escapar do abuso" e queria protegê-las.

Alguns grupos estão já a preparar ações de protesto. Recorde-se que na altura em que o caso de Rivas foi conhecido - quando a mulher começou a ser procurada pelas autoridades, em Espanha - nasceu um movimento de apoio nas redes sociais com a hashtag #JuanaEstáEnMiCasa(Juana está em minha casa).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.