Ciência do ambiente divulgada só após escrutínio por assessores políticos Trump

Decisão divulgada pelo diretor de comunicação da equipa de transição da presidência Trump na EPA, Doug Ericksen

Qualquer estudo ou informação produzida pelos cientistas da Agência de Proteção do Ambiente (EPA, na sigla em inglês) só podem ser divulgados depois de escrutinados por assessores políticos do Presidente Donald Trump.

A decisão foi divulgada esta quarta-feira pelo diretor de comunicação da equipa de transição da presidênciaTrump na EPA, Doug Ericksen.

Este disse que o escrutínio estende-se ao conteúdo do sítio da EPA na Internet, incluindo detalhes ou provas científicas do aquecimento global e da responsabilidade humana nas alterações climáticas, designadamente através das emissões de dióxido de carbono.

Estas restrições excedem em muito as práticas das anteriores presidências, disseram hoje à agência noticiosa AP antigos funcionários da EPA.

Ericksen assegurou que não foram dadas ordens para retirar as menções às alterações climáticas no sítio da EPA na Internet (www.epa.gov), adiantando que ainda não tinham sido tomadas decisões.

"Estamos a ver tudo na base do caso a caso, incluindo a página na Internet e o material do clima deve ser retirado", afirmou Ericksen durante uma entrevista com a AP, especificando que "obviamente que com um novo Presidente, a equipa de transição vai analisar as páginas da Internet e do Facebook e tudo o que envolve a EPA".

Questionado especificamente sobre informação científica recolhida pelos cientistas da agência, como a monitorização de rotina da poluição do ar e da água, Ericksen respondeu: "Tudo está a ser sujeito a revista".

George Gray, que foi administrador adjunto do serviço de investigação e desenvolvimento da EPA durante a presidência de George W. Bush, disse que os estudos científicos eram revistos por norma aos níveis inferiores da burocracia oficial e que, quando eram revistos ao mais alto nível, era para informar os dirigentes sobre o seu conteúdo, não para editar o seu conteúdo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG