Barricadas em protesto contra a falta de luz em São Tomé e Príncipe

A crise de luz em São Tomé e Príncipe agudizou-se nos últimos dias, levando cidadãos a montar barricadas nas estradas em algumas localidades do país, em sinal de protesto, enquanto a empresa responsável. a Emae, fala em "sabotagem" ao abastecimento

Na sexta-feira, populares montaram barricadas em Obô Izaquente com pneus, toros e detritos, cortando a estrada que liga Bobô Forro à vila de Madalena, noroeste do país, num protesto contra a falta de luz, que afirmaram não ter há quatro dias consecutivos.

"Isto não é possível. Sabemos que estamos em crise de energia sim, mas quatro dias consecutivos é uma aberração, é uma falta de respeito da Emae [Empresa de Água e Eletricidade] com a população desta localidade", reclamava Alda Santos, uma residente local.

Um jovem morador, Caetano, ameaçou: "A Emae aqui abusa da gente, muitas localidades têm energia, pelo menos durante algumas horas, mas nós aqui não temos há já quatro dias. Isso que fizemos hoje [barricada] é pouco. Vamos fazer coisa pior se isso não melhorar".

"Nós vestimo-nos amarrotados para ir trabalhar, vestimos as nossas crianças amarrotadas para irem para a escola porque não temos outro jeito, não podemos sequer conservar peixe, mas todos os meses pagamos as faturas à Emae a preços exorbitantes e se não pagarmos duas faturas acumuladas eles cortam-nos a luz", queixou-se uma moradora, Albertina Frota.

O diretor da Empresa de Água e Eletricidade, Mário Sousa, garantiu que houve um "ato de sabotagem", tendo alguém desligado a energia diretamente na rede local de abastecimento.

"Para o nosso sistema, Obô Izaquente tem energia, no âmbito da racionalização que vimos fazendo", disse Mário Sousa, que promete fazer um "inquérito para apurar os factos".

"Lamentamos o facto. Como empresa, vamos abrir um inquérito, tentar apurar a veracidade e tomar todas as providências para pôr cobro a situações como esta", explicou o diretor da Emae, em declaração aos jornalistas.

A situação de crise agravou-se de tal forma que, também na sexta-feira, a única televisão do país, TVS, ficou durante cerca de 14 horas sem emissão por falta de energia elétrica. A estação foi obrigada a suspender vários programas, incluindo o serviço noticioso (Jornal da Manhã, Jornal das 13 horas e o Telejornal).

O ministro das Infraestruturas, Recursos Naturais e Ambiente, Carlos Vila Nova, prometeu falar à imprensa na segunda-feira sobre o estado atual da energia elétrica no arquipélago.

Segundo a empresa fornecedora, a falha de abastecimento de luz afeta mais de metade do país.

A Administração Pública está Semiparalisada e muitas pessoas recorrem aos hotéis da capital - que têm geradores próprios - para ter energia para utilizar os computadores.

Nos bairros periféricos da capital, os habitantes também criticam a forma como a Emae está a racionalizar a eletricidade.

"Temos energia já quando estamos a dormir, ou seja, a luz chega à meia-noite e vai embora entre as cinco e as seis horas da manhã. Ninguém pode ver televisão ou engomar ou fazer qualquer outra coisa para que a energia seja indispensável", lamentou Manuel Tavares, residente em São Gabriel.

Em setembro passado, o ministro Carlos Vila Nova atribuiu a crise de energia à manutenção dos grupos geradores, prometeu na altura uma solução "dentro de mais algumas semanas" e lamentou "os eventuais danos de conforto que possam ser causados às pessoas".

*Jornalista da agência Lusa

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG