Norte-americana condenada na China por espionagem

A norte-americana encontra-se num centro de detenção e não planeia recorrer da sentença

Um tribunal chinês condenou a cidadã norte-americana Sandy Phan-Gillis a três anos e meio de prisão por espionagem e revelação de segredos de Estado, informou hoje o jornal de Hong Kong South China Morning Post.

Phan-Gillis, de 55 anos, foi detida em março de 2015, quando acompanhava uma delegação de empresários de Houston, cidade do Estado norte-americano do Texas, e tentou entrar na China continental através de Macau.

A norte-americana encontra-se num centro de detenção e não planeia recorrer da sentença, segundo John Kamm, diretor da Fundação Dui Hua, uma organização não-governamental especializada em seguir casos de presos na China.

O período que Phan-Gillis passou detida corresponde a mais de metade da pena a que agora foi condenada pelo Tribunal Popular Intermédio de Nanning, pelo que pode obter já liberdade condicional e ser deportada.

Uma porta-voz da embaixada dos Estados Unidos em Pequim explicou ao jornal que o julgamento decorreu à porta fechada e que um funcionário consular foi impedido de assistir.

No ano passado, o grupo das Nações Unidas para as detenções arbitrárias criticou a China por não ter respeitado "as normas internacionais relativas ao direito a um julgamento justo e à liberdade e segurança".

Phan-Gillis permaneceu durante seis meses num lugar secreto e mais tarde foi transferida para um centro em Guangxi, província no sudoeste do país.

A sua detenção só foi anunciada em setembro de 2015, quando as autoridades chinesas revelaram que a suspeita "pôs em perigo a segurança nacional".

A norte-americana tem origens no sul da China, mas nasceu no Vietname.

Numa carta enviada desde a prisão, a mulher assegurou que a sua detenção teve motivações políticas e não criminais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG