China tem mais investidores do que militantes do PC

Comunistas são 88 milhões; nas bolsas estão presentes cem milhões. O setor bolsista representa 20% do mercado financeiro.

A República Popular da China (RPC) ultrapassou, pela primeira vez, o número de cem milhões de pessoas a investirem nas duas bolsas do país, a de Xangai e a de Shenzhen, número bastante superior ao de inscritos no Partido Comunista, que é de, aproximadamente, 88 milhões.

Esta é uma tendência que já se verificara em 2015 quando o número de investidores individuais superou os 90 milhões, ultrapassando os 87,8 milhões de militantes comunistas, conforme revelou em junho passado a agência oficial Nova China. É agora confirmada com a divulgação dos números referentes a janeiro.

Assim, segundo a Comissão Reguladora do Mercado de Valores, uma média de 67 500 pessoas por dia útil abriram novas contas para negociar nas bolsas de Xangai e de Shenzhen. Em 2015, aquele número foi de 48 600 investidores por dia útil e só no mês de junho entraram no mercado sete milhões de novos investidores.

Em comparação, o PC chinês teve, em 2014, 1,1 milhões de novas filiações; em 2013, tivera 1,6 milhões de adesões. Há um fator que deve, todavia, ser considerado: desde a chegada ao poder de Xi Jinping, em 2012, este tem patrocinado uma intensa campanha contra a corrupção nas fileiras do partido. Uma campanha que não tem poupado nem altos dirigentes nem quadros comuns, e que já produziu a expulsão de cem mil militantes.

Instabilidade bolsista

Mas o mercado bolsista chinês é perigoso, tem-se caracterizado pela instabilidade nos tempos mais recentes, e muitos destes cem milhões de investidores já perderam dinheiro.

A bolsa de Xangai caiu 22,65% em janeiro, enquanto a sua congénere de Shenzhen recuou 25,64% no mesmo período. Esta queda foi a maior e mais rápida desde que se iniciaram as operações bolsistas na China há 25 anos. Um primeiro mercado bolsista existiu em Xangai entre a segunda metade do século XIX, com um pequeno interregno de 1941 a 1946, até à proclamação da RPC em 1949.

Para os analistas, o número tremendo de investidores a operarem no mercado bolsista chinês é uma das causas da alta volatilidade que o caracteriza, sendo boa parte especuladores. Mas, notam ainda os analistas financeiros, a desaceleração da economia chinesa, a queda do preço do petróleo e o fenómeno relativamente novo neste país, que é o da fuga de capitais, estão igualmente a influenciar o comportamento do mercado. Este último aspeto deriva diretamente do fenómeno especulativo.

Espaço para crescer

Nos últimos seis meses de 2015, referia recentemente a Bloomberg, a saída de capitais da China foi equivalente a um bilião de dólares (912 mil milhões de euros).

A maioria dos analistas pensam que, após um período de boom, o mercado está agora a redefinir-se e que o sentimento dominante continuará a ser a venda, empurrando para baixo o valor das ações, uma tendência constante nos últimos seis meses de 2015.

Por outro lado, defendem que o setor tem ainda bastante espaço para crescer, pois representa atualmente pouco mais de 20% do mercado financeiro, menos de metade do que os chineses possuem em depósitos bancários. O que não deixa de ser paradoxal num regime comunista. Um regime que incentiva os chineses a estarem presente em bolsa, como o fez em abril de 2015, dois meses antes da chegada dos sete milhões de investidores acima referidos.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.