Aliança com Paquistão e Afeganistão não pretende isolar Índia

Os planos de cooperação internacional do governo chinês com esses países estão integrados nas Novas Rotas da Seda

O novo mecanismo de cooperação e desenvolvimento lançado pela China com os vizinhos Paquistão e Afeganistão "não é dirigido contra países terceiros", disse esta quarta-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, perante receios de que a estratégia vise isolar a Índia.

"Não é dirigido contra terceiros, inclusivamente queremos que beneficie outros países", disse em conferência de imprensa a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, indicando que "é bastante normal que a China, Paquistão e Afeganistão mantenham diálogo e cooperação".

Os ministros dos Negócios Estrangeiros dos três países reuniram-se na terça-feira em Pequim para lançar um mecanismo de cooperação conjunta e estudar a inclusão do Afeganistão no Corredor Económico China-Paquistão, uma iniciativa que inclui planos de infraestruturas e transporte avaliados em cerca de 57.000 milhões de dólares (48.000 milhões de euros).

O Paquistão e o Afeganistão "são vizinhos da China e têm grandes desejos de melhorar as suas economias e a vida dos seus cidadãos", disse a porta-voz.

Os planos de cooperação internacional com esses países estão integrados nas Novas Rotas da Seda, grande plano de infraestruturas e telecomunicações da China com a Eurásia e outras regiões.

Pequim e Nova Deli mantêm há décadas uma relação complicada, pelas mútuas reclamações fronteiriças, mas também por questões como o conflito tibetano, dados que o Dalai Lama, líder espiritual daquele povo, vive no exílio de Dharamsala (norte da Índia) desde 1959.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.