China avisa Obama para não "começar um fogo" na Ásia

Pequim responde a fim do embargo americano à venda de armas ao Vietname. Ativistas impedidos de se reunir com presidente

Mal anunciou o fim do embargo à venda de armas ao Vietname, na segunda-feira, Barack Obama apressou-se logo a dizer que a medida nada tinha a ver com a China ou o desejo dos EUA de travarem o domínio crescente de Pequim sobre a região. Mas isso não impediu os responsáveis chineses de ontem, através do jornal oficial dos Partido Comunista, o China Daily, deixarem um aviso para que o presidente americano não comece "um fogo" na Ásia.

Ambos comunistas, China e Vietname podem ter a ideologia a uni-los mas não deixam de ser inimigos históricos, que em 1979 se envolveram na última guerra. Hoje ambos disputam a soberania de grande número de pequenas ilhas no Mar do Sul da China. E Pequim vê na decisão dos EUA uma ingerência na região para "travar a ascensão da China", podia ler-se no editorial do jornal.

Também o Global Times, um tabloide nacionalista próximo do PC chinês, criticou o governo americano por estar a "exacerbar o antagonismo estratégico entre Washington e Pequim". O jornal garante que os EUA estão a tecer três teias em torno da China: a teia ideológica, a teia da segurança e a teia económica, procurando garantir a sua influência na região.

Shi Yinhong, um professor da universidade Renmin da China, citado pelo Washington Post, garante que Pequim não vai responder de forma "irrefletida" ao fim do embargo, mas sublinha que vai continuar a reforçar o seu poder no Mar do Sul da China.

Multidões e recados

No segundo dia da sua visita ao Vietname, Obama teve ontem direito a um banho de multidão. Centenas de milhares de pessoas juntaram-se nas ruas de Ho Chi Minh (antiga Saigão), para onde seguiu depois do primeiro dia em Hanói, gritando "Obama! Obama!" e empunhando cartazes onde se lia "Obama, adoramos-te!"

Saudando a crescente cooperação económica entre EUA e Vietname, Obama manteve ontem um encontro com jovens empresários, aos quais explicou os benefícios da Parceria Transpacífico, um acordo de comércio livre entre 12 países.

Depois de uma visita a um pagode, Obama deslocou-se até à Dreamplex, um espaço de co-working onde criticou o facto de vários ativistas terem sido impedidos de se encontrar com ele. Apesar de algumas reformas legais "modestas" no Vietname, ainda "há zonas de preocupação em termos de liberdade de expressão, liberdade de reunião e responsabilidade para com o governo", afirmou o presidente americano.

Antes disso, Nguyen Quang A, um conhecido intelectual vietnamita explicou à Reuters ter sido levado de casa por 10 polícias e colocado num carro que o conduziu para fora da cidade quase até à hora da partida de Obama. Também o advogado e opositor ao regime Ha Huy Son garantiu ter sido impedido de se deslocar até ao local onde estava Obama. A Human Rights Watch denunciou por seu lado que um jornalista crítico do governo que procurava juntar-se a um encontro com o presidente dos EUA foi detido antes de lá chegar. Antes de sair de casa, Quang A. postou uma fotografia no Facebook a vestir-se, com a mensagem: "Antes de ir. Talvez intercetado, detido. Fica o aviso para que se saiba".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.