Catalunha vai ignorar fim da proibição das touradas

Tribunal Constitucional anulou a lei catalã que proibiu, em 2010, as corridas de touros. Alegou que cultura é matéria do Estado

Sete anos depois de a proibição ter sido aprovada no parlamento catalão e cinco desde a última corrida de touros no Monumental de Barcelona, o Tribunal Constitucional espanhol anulou ontem a lei que proibia as touradas na Catalunha considerando que a Generalitat invadiu a competência do Estado em matéria cultural. Mas o governo catalão já indicou que não pretende acatar a decisão dos juízes - oito votos contra três. Em estudo estarão regulações administrativas de tal forma rígidas que servirão para desincentivar a organização desses eventos.

"A Catalunha continuará a dizer não a um espetáculo público baseado na morte e no sofrimento de um ser vivo", disse em comunicado o conselheiro do Território e Sustentabilidade, Josep Rull. Já a presidente da câmara de Barcelona, Ada Colau, reagiu no Twitter: "Barcelona é cidade antitaurina desde 2004. Diga o que disser o Constitucional, faremos cumprir as normativas que impedem o maltrato a animais".

Rull explicou que o governo irá implementar todos os mecanismos de regulação necessários para fazer prevalecer a vontade do povo catalão - a lei de 2010 foi desencadeado por uma petição assinada por 180 mil pessoas. "Temos capacidade de regulação e é muito fácil tornar impossível que haja um espetáculo com estas características", indicou. Os entraves podem tornar economicamente inviável a realização de touradas.

De acordo com o comunicado do Tribunal Constitucional, os juízes reconhecem que a Catalunha tinha o direito de "regular o desenvolvimento das representações tauromáquicas", tendo a jurisdição sobre a gestão dos espetáculos públicos, assim como de "estabelecer requisitos para o cuidado e atenção especial ao touro bravo", em matéria da proteção dos animais. Ao mesmo tempo, a Generalitat não tinha obrigação de "adotar medidas concretas de incentivo" à realização de touradas.

Contudo, alega o tribunal, o facto de terem proibido totalmente as corridas de touros "prejudica pela sua natureza o exercício de uma competência concorrente do Estado". Em causa está o artigo 46 da Constituição, que diz que os poderes públicos têm que garantir o respeito e a proteção da diversidade cultural "dos povos de Espanha". Razão pela qual, justificam os juízes, existe a "impossibilidade de proibir, numa parte do território espanhol, uma celebração, festejo ou, em geral, uma manifestação de uma enraizada tradição cultural".

Segundo a professora catedrática de Direito Constitucional da Universidade Autónoma de Barcelona, Mercè Barceló, "a sentença faz finca-pé na questão da cultura, ignorando a proteção do bem-estar animal e as competências autonómicas sobre os espetáculos públicos". Lembrando que ainda não é conhecida a totalidade da sentença, a professora diz ao DN que "é muito discutível toda esta situação", considerando que esta sentença é "simbólica" devido ao momento que se vive na Catalunha. "Pôr urnas de voto para as pessoas votarem é proibido [consulta sobre a independência], mas matar touros e o mau trato animal é cultura", critica Barceló.

Longo processo

O último touro Osborne (que se tornou num símbolo de Espanha) desapareceu das paisagens catalãs em agosto 2007. Mas a proibição das touradas só começou a ser desenhada em julho de 2009, quando a plataforma Prou (Basta em catalão), que recolhera mais de 180 mil assinaturas, apresentou no parlamento autonómico uma Iniciativa Legislativa Popular nesse sentido. No verão de 2010, os deputados aprovaram a proibição e o então presidente da Generalitat, José Montilla, promulgou-a.

Em outubro, o grupo do Partido Popular no Senado em Madrid apresentou recurso no Constitucional. Desde então, o governo espanhol aprovou leis (em 2013 e 2015) que declararam as touradas como "património cultural imaterial". No clima de desobediência que se vive na Catalunha, por causa do processo independentista, não é contudo de estranhar que a decisão do Constitucional seja vista como mais uma interferência de Madrid nos destinos da região.

A proibição só entrou em vigor em 2012, tendo a última corrida sido celebrada a 25 de setembro de 2011 na Monumental de Barcelona, com os toureiros José Tomás e Serafín Marín a saírem em ombros. "Deixo de ser clandestino, volto a ser livre. A Catalunha nunca deixou de ser taurina e agora é mais do que nunca. Estou muito emocionado", escreveu este último ontem no Twitter. A praça de touros, propriedade de Pedro Balañá, está em perfeito estado de conservação. "Dizem que se fosse por Dom Pedro, o patriarca, amanhã mesmo haveria touros. E não é de descartar que nos seus quase 90 anos queira aproveitar mais uma tarde", escreveu ontem o El Mundo.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.