Catalães votam sem incidentes em eleições decisivas para a região

As eleições realizam-se num dia normal de trabalho, mas mesmo assim espera-se uma taxa elevada de participação

Os catalães estão hoje a votar sem incidentes nas eleições regionais, com filas de várias dezenas de pessoas em muitas assembleias de voto e sem sinais visíveis da 'guerra de símbolos' que marcou a campanha.

As eleições realizam-se num dia normal de trabalho, mas mesmo assim espera-se uma taxa elevada de participação de mais de 80%.

"Espero chegar a tempo de votar ao fim do dia", confidenciou à Lusa Joan, já atrasado para chegar ao trabalho e a queixar-se por a sua empresa não lhe dar o período de tempo estipulado para cumprir o ato eleitoral.

A legislação impõe um período que pode ir até quatro horas para votar, dependente da distância que vai do local de trabalho até à assembleia de voto, mas várias pequenas empresas que vivem muito do comércio de retalho neste período natalício dificultam a tarefa aos seus empregados.

As assembleias de voto abriram à hora marcada, 09:00 locais (08:00 em Lisboa) com filas de várias dezenas de pessoas a deixarem passar à frente as pessoas de maior idade.

Na assembleia de voto que a Lusa visitou esta manhã, na Escola Rainha Voilant, no Bairro da Gràcia, em Barcelona, o início da votação decorreu normalmente, sendo pouco visíveis sinais da 'guerra de símbolos' que houve nas semanas anteriores.

O organismo responsável pela realização das eleições proibiu cartazes e quaisquer símbolos alusivos a qualquer partido ou movimento, sobretudo os cartazes e laços amarelos que pediam a libertação daqueles que são considerados "presos políticos" pelas listas independentistas.

"Se olhar bem, verá que ainda há alguns sinais" desse movimento, segredou Antón a olhar para uma folha de papel A4 em cima de uma cadeira ao lado de uma mesa de voto onde se lia, escrito à mão "Aqui havia um laço amarelo".

Vários candidatos dos partidos independentistas estão detidos preventivamente, acusados de delitos de rebeldia, secessão e peculato, e outros estão refugiados no estrangeiro.

As últimas sondagens dão conta de um empate técnico entre os partidos do bloco constitucionalista e independentista, mas o aumento da taxa de participação e a transferência votos dentro de cada bloco torna o resultado imprevisível.

Os constitucionalistas estão convencidos de que vão beneficiar muito com o aumento dessa taxa, pois os independentistas, mais mobilizados, sempre votaram em maior número.

Os partidos separatistas ganharam as últimas eleições regionais, em 2015, com 72 deputados num total de 135 no parlamento regional, o que lhes permitiu formar um governo que organizou um referendo de autodeterminação em 01 de outubro último, que foi considerado ilegal pelo Estado espanhol.

As eleições regionais de quinta-feira foram convocadas pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, em 27 de outubro passado, no mesmo dia em que decidiu dissolver o parlamento da Catalunha e destituir o executivo regional.

Exclusivos