Catalunha anuncia intenção de convocar referendo sobre independência

Puigdemont garante que referendo será convocado com ou sem aval do Estado espanhol

O presidente do Governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, anunciou esta quarta-feira em Barcelona que tenciona convocar um referendo sobre a independência da Catalunha em setembro de 2017, com ou sem aval do Estado espanhol.

"Nós tentaremos obter o acordo [de Madrid] até ao fim", declarou Puigdemont citado pela Efe, acrescentando que "na ausência de uma resposta positiva", os catalães "estarão prontos para uma convocação durante a segunda quinzena de setembro do próximo ano".

O presidente da comunidade autónoma da Catalunha ("Generalitat") fez estas declarações no parlamento regional, no primeiro dia do debate sobre a moção de confiança ao seu governo.

Os partidos que lutam pela independência da Catalunha aprovaram em meados do corrente ano um plano para alcançar a independência da Comunidade Autónoma da Catalunha, depois de ganharem em eleições regionais realizadas em 2016, mas desde então têm-se mostrado muito divididos por razões ideológicas.

A coligação pró-independência que governa a Catalunha desfez-se em junho último quando o seu partido mais radical, a CUP (Candidatura de Unidade Popular, de extrema esquerda), recusou apoiar o orçamento regional para 2016, o que obrigou Carles Puigdemont a pedir um "voto de confiança" que será votado na quinta-feira.

A CUP tem dito que defende a formação novamente da coligação pró-independentista e que iria mesmo apoiar Puigdemont, mas que isso seria possível apenas em troca da organização de um referendo do tipo daquele que foi realizado na Escócia (Reino Unido) no ano passado.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.