Casal luso-angolano assassinado na região de Luanda

Os empresários foram baleados quando seguiam de carro. Polícia supõe que seja um "acerto de contas"

Um casal luso-angolano foi assassinado ontem em Viana, cidade situada a 18 quilómetros de Luanda, em Angola, avança a SIC Notícias, que confirmou a informação junto da Embaixada de Portugal.

Segundo a estação de televisão, os empresários seguiam no carro com o filho quando foram baleados por alguém que seguia numa outra viatura. O filho sobreviveu.

A secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas está a tentar confirmar oficialmente a identidade das vítimas.

Segundo o JN, o casal Elvira Mil-Homens e Fernando Silva eram proprietários de "uma empresa ligada ao sector da eletricidade" e foram baleados, ontem, por volta das oito da noite.

Segundo fonte da polícia angolana, o homem morreu no local e a mulher num hospital para onde foi socorrida.

A polícia está no encalço dos supostos homicidas, mas pelas características do crime supõe que seja um "acerto de contas".

"Não roubaram nada, chegaram e dispararam contra o casal, mas ao filho que vinha no carro não aconteceu nada, não sabemos se foi acerto de contas", adiantou a fonte.

"O caso está a ser investigado e não podemos avançar ainda mais informações", disse ainda à Lusa fonte da polícia angolana.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.