Carro armadilhado em Bogotá faz pelo menos oito mortos

Bomba explodiu junto a academia de polícia na capital da Colômbia.

Um carro armadilhado explodiu junto de uma academia de polícia em Bogotá, capital da Colômbia, matando pelo menos oito pessoas e ferindo cerca de dez, disse o ministro da Defesa. A bomba explodiu na Escola de Polícia General Santander, no sul da capital. Imagens nas redes sociais mostraram os restos de um veículo em chamas na área de estacionamento da escola de polícia e os veículos de emergência no local.

As autoridades não informaram se os mortos e feridos eram polícias.

O presidente da Colômbia, Iván Duque, fez saber que estava de regresso à capital. Estava no oeste do país, onde participou numa reunião sobre segurança. Pediu às forças de segurança que encontrassem os autores do atentado terrorista.

"Todos os colombianos rejeitam o terrorismo e estão unidos para enfrentá-lo", escreveu no Twitter.

Desconhece-se quem podem ser os autores da explosão. A Colômbia encerrou o capítulo da guerra civil após o acordo de paz do governo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em 2016.

No entanto, em fevereiro de 2007, o Exército de Libertação Nacional cometeu um atentado junto a uma praça de touros da capital, tendo causado um morto e ferido 20 pessoas. E em junho de 2017, uma explosão num centro comercial em Bogotá fez três mortos e nove feridos.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.