Carlos Bolsonaro. "Pela via democrática, Brasil não se transformará rapidamente"

Publicação de filho do presidente da República nas redes sociais gera críticas. Família tem histórico de defesa do regime militar brasileiro, de 1964 a 1985.

"Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos... e se isso acontecer. Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes!".

A frase, escrita nas redes sociais, é do vereador carioca Carlos Bolsonaro, segundo dos cinco filhos do presidente brasileiro Jair Bolsonaro, e gerou reações enérgicas.

"Não há como aceitar uma família de ditadores", reagiu Felipe Santa Cruz, presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, que chegou a ser atacado recentemente por Jair Bolsonaro, que fez referências à morte do pai dele na ditadura. "É hora dos democratas do Brasil darem um basta. Chega", desabafou o jurista ao jornal Folha de S. Paulo.

Políticos de esquerda, do PT, do PSOL, do PDT e de outras forças, repudiaram as declarações. O PSDB, de centro-direita, emitiu comunicado no mesmo tom.

Horas depois da publicação inicial, Carlos voltou a pronunciar-se. "Agora virei ditador?! Pqp! Boa noite a todos".

A família Bolsonaro é conhecida por elogiar o regime ditatorial militar que governou o país de 1964 a 1985. Carlos, em particular, fez-se notar no primeiro semestre ao atacar ministros do governo do pai, entretanto demitidos, como Gustavo Bebianno e Santos Cruz. Outro dos alvos mais comuns do vereador do Rio de Janeiro é Hamilton Mourão, vice-presidente que vai ocupar a presidência durante a convalescença de Jair Bolsonaro, operado pela quarta vez na sequência da facada de que foi alvo em campanha há cerca de um ano.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.