Brasília intensifica segurança em escolas da região

O governo do Distrito Federal brasileiro [Brasília] prometeu hoje intensificar a segurança em instituições de ensino depois de terem identificado quatro casos de ameaças feitas por estudantes em redes sociais e em escolas, segundo o secretário da Educação.

"A Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal está a aprofundar discussões sobre como deixar as escolas 100% seguras. Lançaremos, no início de abril, uma série de medidas neste sentido. Mas, antecipo e asseguro que não vamos cair na tentação do óbvio nem do mais fácil", afirmou o secretário de Educação, Rafael Parente, na rede social Twitter.

No final da manhã de hoje, um professor entrou armado com uma faca, arco e flechas no prédio da secretaria da educação do Distrito Federal, afirmando que tencionava encontrar-se com o secretário.

O docente chegou a subir até ao 12.º andar do edifício, onde fica o gabinete do secretário Rafael Parente, que se encontrava em reunião naquele momento. O professor acabou detido e não de registaram feridos.

"É um facto que um homem entrou armado na sede. Ele já foi preso e não conseguiu agir. (...) Estou preocupado com o professor e com a família dele. Estamos a fazer e faremos todos os possíveis para que recebam todos os tratamentos necessários", confirmou Rafael Parente na plataforma Twitter.

De acordo com a secretaria da Educação, citada pelo portal de notícias G1, o homem em causa é um professor de violino erudito da Escola de Música de Brasília, de 54 anos, e tem histórico de problemas psiquiátricos.

Dois ex-alunos da Escola Estadual Raul Brasil, em São Paulo, entraram armados nesta quarta-feira nas imediações daquela instituição de ensino, tendo matado cinco alunos e duas funcionárias.

A Polícia Militar chegou à escola cerca de oito minutos após o crime. Já dentro do colégio, os polícias ouviram barulho de tiros e encontraram os dois assassinos mortos, de acordo com as autoridades locais.

Os dois autores do crime foram identificados pela Polícia Militar como sendo Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos.

Na sua conta na rede social Facebook, Guilherme Taucci Monteiro publicou cerca de 30 fotografias, usando uma máscara de caveira, armado e fazendo sinais ofensivos.

O crime aconteceu por volta das 09:40 da manhã (12:40 em Lisboa) na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, que fica a cerca de 50 quilómetros da cidade de São Paulo.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG