Capa da Time apresenta "Vladimir Trump"

Inspirada no encontro entre Donald Trump e Vladimir Putin, a revista norte-americana mescla a cara dos dois líderes mundiais numa só.

A capa da revista norte-americana Time, divulgada nesta quinta-feira, mistura as imagens do presidente dos EUA, Donald Trump, com o da Rússia, Vladimir Putin, numa referência à reportagem sobre o encontro que ambos protagonizaram na passada segunda-feira, em Helsínquia, Finlândia. Surge assim um Vladimir Trump ou um Donald Putin.

A reportagem, com o título "Trump queria um encontro com Putin. Acabou por receber mais do que estava à espera", aborda o facto de, questionado sobre a suposta interferência russa nas eleições presidenciais de 2016, Trump ter dito que confiava na palavra de Putin, apesar das informações em contrário dos serviços de inteligência dos EUA.

As declarações correram mundo, levantaram polémica, recolheram críticas até do seio do próprio Partido Republicano, e valeram um esclarecimento do presidente norte-americano, que, em conferência de imprensa na Sala Oval, em Washington, deu o dito por não dito e declarou ter-se expressado mal.

Recorde-se que em Helsínquia o chefe do Estado disse: "Eu não vejo alguma razão para que tenha sido a Rússia (...)."

Corrigiu depois, dizendo "aceitar que houve interferência russa" e admitindo que o que queria ter dito na conferência conjunta com Vladimir Putin era: "Eu não vejo alguma razão para que não tenha sido a Rússia." Um não que faz toda a diferença e que levantou um grande "mal-entendido".

A revista afirma que, ao furtar-se a recriminar Putin sobre a suposta atitude russa, Trump furtou-se também a cumprir a sua função de "preservar, proteger e defender" a Constituição.

A publicação analisa os danos causados ao país pelo que chama de "prostração" de Trump diante do rival russo e cobra explicações sobre a "espantosa afinidade" entre eles.

A capa tem autoria de Nancy Burson e foi feita digitalmente por John Depew, com fotos da Getty Images (Trump) e do Kremlin (Putin).

Nancy Burson explicou a ideia da capa à Time: "É suposto representar este momento, em particular, seguindo o encontro em Helsínquia, na Finlândia."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.