Campanha de sangue no México com 136 políticos mortos

Desde o início da campanha para as eleições deste domingo, a 8 de setembro, multiplicaram-se os assassínios de candidatos e outros políticos.

Fernando Purón, candidato a deputado federal no estado de Coahuila, posava para uma selfie com uma apoiante a 8 de junho quando foi assassinado com um tiro na cabeça. Durante o debate tinha prometido lutar contra o crime organizado: "O crime deve ser enfrentado de frente, não devemos temê-lo." Purón foi apenas um de 136 políticos mortos desde o início da campanha eleitoral mexicana, a 8 de setembro.

No total, no seu sexto relatório sobre violência política no México, a consultora Etellekt contabilizou 581 agressões contra políticos. Dos 136 que foram assassinados, 28 eram pré-candidatos e 20 candidatos nas eleições de hoje, que além de eleger o presidente servem para eleger 128 senadores, 500 deputados federais e dirigentes locais em 30 dos 32 estados mexicanos.

A Etellekt registou ainda 52 tentativas de homicídio (com arma de fogo) e 70 agressões físicas, 20 sequestros ou tentativas de rapto e 51 atentados não contra os políticos, mas contra os seus familiares. De acordo com a consultora, 197 políticos foram ameaçados ou intimidados.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.