Caetano, Maitê, Sónia Braga: artistas saem à rua em defesa da Amazónia

Marcha no Rio de janeiro juntou cerca de 15 mil pessoas.

Milhares de pessoas juntaram-se ontem em Ipanema, no Rio de Janeiro, numa marcha em defesa da Amazónia e em protesto contra as políticas do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. Na primeira fila estiveram nomes como Caetano Veloso, Sónia Braga ou Maité Proença.

As atrizes Patrícia Pillar, Luisa Arraes, Maria Padilha, Patrycia Travassos, os atores António Pitanga, Mateus Solano e Caio Blat , o compositor e Rapper Criolo e o humorista Gregório Duvivier foram outros nomes que se associaram ao protesto, tal como Glenn Greenwald, jornalista do The Intercept Brasil. Vários deputados federais participaram também no desfile.

Caetano Veloso reproduziu no twitter imagens do protesto:

De acordo com o relato de vários órgãos de comunicação social brasileiros, a marcha juntou cerca de 15 mil pessoas. Os manifestantes exibiram cartazes com palavras de ordem como "A Amazónia não aguenta mais", "Não queimem o nosso futuro" ou "Fora Salles [o ministro do Ambiente, Ricardo Salles] e cantaram clássicos da música popular brasileira.

"Estou aqui porque estamos defendendo a causa do meio ambiente contra as decisões e as coisas que são ditas pelo poder incumbente do Brasil agora. Nesse momento, com as queimadas na Amazônia e a repercussão mundial, a gente vê o caso muito explicitado e está se articulando. É importante (a repercussão internacional) para que os dirigentes tomem consciência", afirmou Caetano, citado pela revista Veja.

Segundo O Globo, no percurso entre Ipanema e Leblon foram atirados ovos contra os manifestantes, atirados da sacada de um prédio, com este a responder com gritos de "fascistas".

No final, Caetano terminou a participação na marcha cantando "Um Índio", um êxito do cantor, do álbum Bichos, de 1977.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG