Acordo final do 'brexit' será votado no parlamento britânico

O ministro considera que este procedimento oferece "clareza e certeza"

O acordo final para a saída do Reino Unido da União Europeia será objeto de uma lei que será votada no parlamento britânico, anunciou esta segunda-feira o ministro para o Brexit, David Davis.

Numa declaração feita na Câmara dos Comuns, o ministro responsável pelo processo para a saída da UE anunciou que o acordo que resultar das negociações em curso [em Bruxelas com os outros estados membros] dará origem a uma proposta de lei, que será apresentada no parlamento.

A lei vai chamar-se "Lei do Acordo de Saída e da Implementação" e vai assim permitir aos deputados que analisem e discutam o texto antes de este ser aprovado, incluindo questões como os direitos dos cidadãos, a solução financeira e os detalhes de um período de implementação acordado entre os dois lados.

"Nós sempre dissemos que faríamos o que fosse necessário para preparar a nossa saída, incluindo propor legislação adicional, e é exatamente isso que estamos fazendo. Este é outro passo importante que demonstra a nossa abordagem pragmática para pôr a casa em ordem na altura em que deixamos a UE", afirmou Davis.

O ministro considera que este procedimento oferece "clareza e certeza" quanto sobre o que acontecerá com o resultado das negociações que decorrem em Bruxelas.

"À medida que avançamos, estamos prontos para trabalhar com os deputados de todo o país para assegurar uma saída tranquila e ordenada da UE que seja efetivamente examinada pelo Parlamento", acrescentou.

David Davis falava na véspera do início do debate na especialidade da proposta de lei que revoga a lei de adesão do Reino Unido à Comunidade Europeia em 1973 e que transfere as normas europeias para o direito britânico.

Ao todo, foram propostas 300 emendas e 54 novas cláusulas ao texto do governo, incluindo uma para forçar o governo a apresentar ao parlamento o acordo final para o Brexit.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.