Brasil fretou seis voos da TAP por 1,4 milhões para repatriar mais de 1300 cidadãos

Primeiro dos seis voos partiu esta quinta-feira de manhã do aeroporto de Lisboa

As autoridades brasileiras fretaram à TAP seis voos de repatriamento de cidadãos que se encontram em Portugal, para se realizarem este mês, no valor de 1,4 milhões de euros, disse à Lusa fonte do consulado brasileiro.

O primeiro desses voos de repatriamento partiu esta quinta-feira, às 11:00, do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, em direção a São Paulo, estimando os responsáveis que haja pelo menos 1.300 cidadãos brasileiros a aguardar o regresso ao seu país.

"São seis voos. Em princípio, operaremos cinco e poderemos vir a operar um sexto, ao longo do mês de abril", afirmou à Lusa a primeira secretária do consulado do Brasil em Lisboa, Izabel Cury.

Segundo a diplomata, se for necessário realizar os seis voos - porque o sexto ainda não é certo que seja necessário -, esta operação de repatriamento de cidadãos nacionais custa ao Estado brasileiro 1,4 milhões de euros.

Para já, está garantida a realização de cinco destes voos. Dois deles partem esta quinta-feira de Lisboa e, no sábado, sairá um do Porto. Na próxima semana, estão previstos mais dois, ambos a partir de Lisboa: um no domingo, dia 19, e outro na quarta-feira, dia 22.

Todos os voos têm como destino São Paulo. A bordo vão, na sua maioria, viajantes brasileiros que, por causa dos cancelamento de voos e outras restrições resultantes da pandemia da covid-19 tinham ficado retidos em Lisboa, mas também cidadãos brasileiros residentes em Portugal que se encontravam em situação de vulnerabilidade.

"A maioria dos passageiros são turistas que ficaram retidos aqui, mas há casos de pessoas que no meio deste processo [da pandemia] foram perdendo completamente as condições de ficarem em Portugal, porque perderam os seus empregos e não têm condições de pagar a renda do próximo mês e que vieram entrando em contacto com o consulado", admitiu a diplomata.

Izabel Cury esclareceu que a prioridade são os turistas, mas são tidos em conta estes casos de necessidade. "A gente tem estabelecido como critério o seguinte: a prioridade, obviamente, são os turistas, porque é para isso que os voos foram contratados, mas também não temos interesse em descolar uma aeronave com assento vazio, quando há compatriotas precisando de voltar para casa e em necessidade", afirmou.

Esta quinta-feira, pelas 09:00, a maioria das dezenas de passageiros que se encontravam na fila de espera para entrar na porta principal das partidas do aeroporto de Lisboa, ou estava a aguardar por uma resposta sobre um possível vaga no voo das 11:00 ou já se preparava para ver se conseguia entrar no voo desta quinta-feira à tarde.

O Brasil ultrapassou na quarta-feira a barreira dos três mil novos casos diários do novo coronavírus, registando o número recorde de 3.058 infetados e 204 mortos nas últimas 24 horas.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 133 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 436 mil doentes foram considerados curados.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG