Brasil está "atolado numa recessão profunda"

FMI anunciou que a economia brasileira deverá sofrer uma contração de 3,8% este ano e deverá estagnar em 2017

O Brasil está "atolado numa recessão profunda" devido aos problemas económicos e políticos, alertou hoje o Fundo Monetário Internacional (FMI) num relatório divulgado na Cidade do México.

No início do mês, o FMI anunciou que a economia brasileira deverá sofrer uma contração de 3,8% este ano e deverá estagnar em 2017. A previsão anterior, divulgada em janeiro, apontava para uma queda de 3,5%.

Os dados fazem parte de um estudo do FMI sobre a América Latina, segundo o qual a economia da região deve sofrer uma contração de 0,5% em 2016, marcando dois anos seguidos de crescimento negativo pela primeira vez desde a crise da dívida de 1982 e 1983.

O Fundo alertou também que "uma deterioração mais profunda da situação no Brasil poderia levar a uma reavaliação repentina de projetos regionais, a uma redução da demanda de exportações entre parceiros comerciais na região e a um aumento na perceção de risco".

Entre os "vários riscos de deterioração", as perspetivas regionais estão particularmente vulneráveis a uma desaceleração da economia chinesa maior que o esperado, dado que o país asiático é o destino de entre 15% a 25% das exportações do Brasil, Chile, Peru, Uruguai e Venezuela, segundo o FMI.

O Brasil enfrenta momentos de incerteza política, com a Presidente Dilma Rousseff a ser alvo de um processo de destituição do cargo, que não ajudam a enfrentar a recessão económica, o aumento do desemprego e a inflação.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.