Bombista suicida mata 65 pessoas no Paquistão. Fação dos talibãs reivindica

Explosão ocorreu num parque infantil. Pelo menos outras 280 pessoas ficaram feridas

Pelo menos 63 pessoas morreram num atentado num parque em Lahore, no Paquistão, a maioria mulheres e crianças, segundo avança a agência EFE. Um homem fez-se explodir este domingo numa área estacionamento de um parque chamado Gulshan-e-Iqbal, perto de um parque infantil. "As operações de socorro prosseguem no terreno", declarou Muhammad Usman, um alto responsável administrativo da cidade de Lahore (leste), acrescentando que militares foram mobilizados para o local. Disse ainda que "a natureza da explosão não é clara".

Segundo relatos de testemunhas, o parque estava cheio, devido a ser o fim de semana da Páscoa. "A maior parte dos feridos e mortos são mulheres e crianças", disse Mustansar Feroz, da polícia local, citado pela Reuters. Há mais de uma centena de feridos.

O porta-voz da polícia local, Mohamed Salim, afirmou, citado pela EFE, que além dos mortos, cerca de 200 pessoas ficaram feridas. "Um suicida fez explodir as bombas que transportava no parque Gulshan-e-Iqbal, perto de uma zona infantil, por volta das 19.00 locais (15.00 de Lisboa)", explicou.

O ataque, entretanto reivindicado pela fação dos talibãs Jamaat-ul-Ahrar, acontece no coração do território que é base política do presidente Nawaz Sharif, num país que luta contra os talibãs e é afetado por violência sectária.

Portugal e Estados Unidos condenam ataque

"Portugal condena mais este atentado e reafirma o seu compromisso com a luta internacional contra o terrorismo", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, numa declaração à Lusa. "É mais um atentado bárbaro", disse o ministro, salientando o facto de, neste caso, ter visado crianças. "Além do que é comum a todos os atentados terroristas, atacar pessoas indefesas, este atentado visou especificamente uma minoria religiosa e muitas crianças", acrescentou.

Os Estados Unidos condenaram "com a maior firmeza" o "hediondo" ataque suicida perpetrado hoje, num parque da cidade paquistanesa de Lahore (leste do Paquistão), que provocou pelo menos 65 mortos, muitos deles mulheres e crianças.

"Este ato cobarde, num local que foi durante muito tempo um parque agradável e tranquilo, matou dezenas de civis inocentes e fez muitos feridos", disse, num comunicado, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Ned Price. "Enviamos as nossas profundas condolências aos familiares das vítimas mortais", e "os nossos pensamentos e orações estão com os muitos feridos na explosão", acrescentou.

O porta-voz insistiu que os Estados Unidos apoiam o povo e o governo do Paquistão, "neste momento difícil", e assegurou que a administração norte-americana continuará a trabalhar com os seus parceiros, no país e em toda a região. Juntos, frisou Ned Price, "seremos inflexíveis" nos esforços, "para erradicar o flagelo do terrorismo"

(Notícia atualizada às 21:46)

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.