Bolívia considera "ato ridículo" Guatemala mudar embaixada para Jerusalém

"Alguns governos vendem a sua lealdade ao império para não perderem migalhas dos Estados Unidos", disse Evo Morales

O presidente da Bolívia, Evo Morales, condenou hoje a decisão de Guatemala de transferir a embaixada que o país tem em Telavive para Jerusalém, classificando-o como um "ato ridículo" em busca de "migalhas" dos Estados Unidos.

"Num ato completamente ridículo para a comunidade internacional, o Governo de Guatemala ignora a resolução da Assembleia-Geral das Nações Unidas e decide mudar a sua embaixada para Jerusalém", afirma Evo Morales, numa publicação na rede social Twitter.

O responsável acrescenta que lamenta "que alguns governos vendem a sua lealdade ao império para não perderem migalhas dos Estados Unidos".

O Presidente de Guatemala, Jimmy Morales, anunciou no domingo que o país vai transferir a embaixada que tem em Telavive para Jerusalém, no seguimento da aliança com os Estados Unidos, que reconheceram esta última cidade como capital de Israel.

Guatemala, Honduras, Islas Marshall, Micronesia, Nauru, Palau e Togo aliaram-se aos Estados Unidos para reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Trump anunciou em 06 de dezembro que os Estados Unidos reconhecem Jerusalém como capital de Israel e que vão transferir a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, contrariando a posição da Organização das Nações Unidas (ONU) e dos países europeus, árabes e muçulmanos, assim como a linha diplomática seguida por Washington ao longo de décadas.

A questão de Jerusalém, cidade santa para cristãos, judeus e muçulmanos, é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano. Israel ocupa Jerusalém oriental desde 1967 e declarou, em 1980, toda a cidade de Jerusalém como a sua capital indivisa. Os palestinianos querem fazer de Jerusalém oriental a capital de um desejado Estado palestiniano, coexistente em paz com Israel.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.