Voos para três ilhas cabo-verdianas cancelados devido à bruma seca

A bruma seca há quatro dias que cobre o arquipélago

A companhia aérea Binter Cabo Verde anunciou ter cancelado todos os voos previstos para hoje com destino a três ilhas cabo-verdianas, Fogo, São Nicolau e Maio, devido à bruma seca que há quatro dias cobre o arquipélago.

"Informamos os passageiros com voos amanhã, 24 de dezembro, com destino à ilha do Fogo, São Nicolau e Maio, que os mesmos foram cancelados devido à baixa visibilidade causada pela bruma seca", informou a companhia aérea, a única que opera nos voos domésticos em Cabo Verde.

A Binter Cabo Verde adiantou que "os voos serão retomados assim que a visibilidade for suficiente para a sua realização com segurança"

As ilhas do Fogo, São Nicolau e Maio são aquelas cujos aeródromos ainda não têm todas as condições para receber voos em períodos de fraca visibilidade.

No site da ASA, empresa que administra os aeroportos cabo-verdianos, não há registo de nenhum voo de chegada nem de partida para essas três ilhas.

A imprensa cabo-verdiana escreve que muitos passageiros estão retidos nestas ilhas, tendo sido encaminhados para hotéis, nesta altura de grande mobilidade para a época de Natal e fim de ano.

Os restantes aeroportos, do Sal, Praia, Boavista e São Vicente, têm previsto a chegada e partidas dos seus voos domésticos e internacionais.

O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INMG) cabo-verdiano prevê para hoje céu nublado, com visibilidade má, devido a bruma seca expressa e com rajadas de vento que podem chegar aos 61 quilómetros por hora.

O mar também vai continuar agitado, com ondas a atingirem os 4,5 metros de altura.

Segundo informações dos técnicos do INMG, o mau tempo vai prolongar-se até depois do Natal.

A bruma seca é uma tempestade de poeira proveniente do deserto do Saara e que é habitual nesta época em Cabo Verde, estando este ano com uma intensidade mais elevada.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.