Basílica da Sagrada Família vai pagar 36 milhões de euros: estava sem licença há 136 anos

Vão ser investidos 36 milhões de euros para financiar os gastos da autarquia que advêm das atividades do monumento, dos quais sete milhões estão destinados à construção de um acesso ao templo desde o metropolitano.

A basílica da Sagrada Família, em Barcelona, vai pagar 36 milhões de euros durante dez anos para regularizar a empreitada e o dinheiro vai ser investido nos transportes públicos da cidade, nos acessos ao templo catalão e na urbanização.

O acordo, realizado entre a Câmara Municipal de Barcelona e a construtora encarregada pelas obras no monumento, vai finalmente licenciar as obras que começaram há 136 anos, de acordo com o jornal diário catalão La Vanguardia.

Os responsáveis pela empreitada referiram que "vão pagar o que está estipulado pela lei" e a presidente do município, Ada Colau Ballano, falou de um "dia histórico" para a cidade.

Vão ser investidos 36 milhões de euros para financiar os gastos da autarquia que advêm das atividades do monumento, dos quais sete milhões estão destinados à construção de um acesso ao templo desde o metropolitano.

O pacto vai regularizar as obras depois de mais de um século de trabalhos.

O projeto da obra é um requisito necessário para a realização de obras, para que estas se ajustem às normas camarárias, além do pagamento da respetiva licença, facto que já tinha sido assinalado pela vereadora do Urbanismo do município catalão, Janet Sanz Cid.

O projeto da obra de Antonio Gaudi estará concluído a 70 por cento, de acordo com a construtora, mantendo-se o prazo de 2026 para a conclusão.

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.