Bashar al-Assad saúda tomada de Palmira como "conquista importante"

O grupo extremista EI detinha o controlo de Palmira desde maio de 2015

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, classificou hoje como uma "conquista importante" a recuperação do controlo da cidade de Palmira, que esteve nas mãos do grupo extremista Estado Islâmico durante cerca de um ano, divulgou a agência síria Sana.

Numa intervenção diante de deputados franceses que estão a realizar uma visita à capital síria de Damasco, Bashar al-Assad afirmou que "a libertação da cidade histórica de Palmira é uma conquista importante", acrescentando que esta conquista é "uma nova prova da eficácia da estratégia do exército sírio e dos seus aliados na guerra contra o terrorismo".

O chefe de Estado sírio realçou ainda que a conquista de Palmira pelas forças governamentais sírias "mostra que a coligação -- liderada pelos Estados Unidos e que inclui mais de 60 países -- não está seriamente a lutar contra o terrorismo".

O exército sírio anunciou este fim de semana a recuperação do controlo total de Palmira.

"Após combates noturnos violentos, o exército controla totalmente a cidade de Palmira, incluindo a parte antiga e a parte residencial. Eles [os 'jihadistas'] retiraram-se", disse hoje uma fonte militar, citada pela agência noticiosa francesa AFP.

As tropas sírias, apoiadas pela aviação russa, haviam entrado na quinta-feira na antiga cidade de Palmira, classificada como Património Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em 1980.

A tomada de Palmira foi o culminar de uma ofensiva que o exército lançou no início do mês, com o apoio de raides aéreos russos.

O grupo extremista EI detinha o controlo de Palmira desde maio de 2015.

Situada a cerca de 210 quilómetros a nordeste da capital síria, a "pérola do deserto", como é apelidada esta cidade com mais de 2.000 anos, tinha uma grande importância estratégica para o grupo radical sunita.

Exclusivos

Premium

Flamengo-Grémio

Jesus transporta sonho da Champions para a Libertadores

O treinador português sempre disse que tinha o sonho de um dia conquistar a Liga dos Campeões. Tem agora a oportunidade de fazer história levando o Flamengo à final da Taça Libertadores para se poder coroar campeão da América do Sul. O Rio de Janeiro está em ebulição e uma vitória sobre o Grémio irá colocar o Mister no patamar de herói.