Avião ucraniano abatido por dois mísseis devido a erro no ajuste de radar

Um erro humano relacionado com um mau ajuste do radar militar foi a causa do acidente com o boeing ucraniano abatido em 8 de janeiro perto de Teerão (Irão), provocando 176 mortos, concluiu o relatório da aviação civil iraniana.

"Houve uma falha devido a erro humano no acompanhamento do procedimento de calibre do sistema de radar, "o erro de 107 graus", não permitindo mais observar, de forma correta, a trajetória dos objetos no campo", indica o relatório publicado no sábado.

A falha "está na origem de uma sequência perigosa [de eventos] e poderia ter sido dominada se outras medidas tivessem sido tomadas".

De acordo com o documento, apresentado como um "relatório sobre factos" e não como um relatório final de investigação, outros erros ocorreram nos minutos que se seguiram.

Apesar das informações erradas sobre a trajetória da aeronave, o operador do sistema de radar poderia ter identificado o alvo como um avião de passageiros, mas houve "erros de identificação".

O relatório também refere que o primeiro dos dois mísseis disparados contra o avião foi disparado pelo operador de uma bateria de defesa "sem ter recebido uma resposta do centro de coordenação" do qual ele dependia.

O segundo míssil foi disparado trinta segundos depois, tendo em consideração "a continuidade da trajetória do alvo detetado", acrescenta-se no relatório.

O avião que efetuava o voo PS-752 da Ukraine International Airlines, de Teerão para Kiev, foi abatido em 8 de janeiro por dois mísseis.

As 176 pessoas a bordo, a maioria das quais iranianas e canadianas, mas também 11 ucranianas (incluindo os nove tripulantes), morreram no desastre.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG