Nenhum sobrevivente em queda de avião na região de Moscovo

Agência de notícias russa avança que aparelho se despenhou e que os 71 passageiros morreram

Um Antonov An-148 operado pela companhia Saratov Airlines desapareceu dos radares cerca de 10 minutos depois de ter levantado voo do aeroporto Domodedovo, em Moscovo, Rússia. A bordo seguiam 65 passageiros e seis tripulantes, que, segundo avança a agência noticiosa russa TASS, terão morrido na queda do aparelho.

De acordo com a mesma fonte, os destroços do avião foram encontrados a cerca de 40 quilómetros do aeroporto de Domodevo de Moscovo. Será necessário recorrer a exames de ADN para identificar as vítimas.

"Os destroços foram encontrados. Não há sobreviventes", disse uma fonte à agência noticiosa russa TASS.

O Kremlin confirmou que as primeiras informações apontam para que todos os passageiros tenham morrido, tendo o presidente, Vladimir Putin, enviado condolências às famílias das vítimas.

Anteriormente, fontes dos serviços de emergência indicaram que os restos do aparelho foram avistados e que equipas de socorro estavam a dirigir-se para o local.

A imprensa local avança que o aparelho ter-se-á despenhado perto da cidade de Argunovo, nos subúrbios da capital russa, citando fontes dos serviços de emergência e testemunhas locais que terão visto o avião cair.

Segundo a Interfax, o ministro dos Transportes russo está a considerar várias hipóteses para a queda do avião, nomeadamente mau tempo e erro humano. As temperaturas na região rondam os cinco graus negativos.

O avião tinha como destino a cidade de Orsk, junto à fronteira com o Cazaquistão.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.