7000 migrantes na Alemanha cometeram crimes de guerra mas só 129 foram investigados

O jornal Bild revela que esses casos foram reportados às autoridades alemãs. Em causa estão refugiados oriundos de países como Síria, Iraque e Afeganistão

As autoridades alemãs receberam cerca de 7000 indicações de que os migrantes que têm chegado ao país cometeram crimes de guerra nos seus países de origem, mas apenas 129 desses casos foram investigados, revelou o jornal Bild.

O jornal divulgou esta quinta-feira que o escritório da Alemanha para as migrações reportou esses dados aos promotores federais e à agência federal de investigação criminal entre 2014 e o início de 2019. A informação estava na resposta a uma pergunta de legisladores e foi confirmada pelo Ministério do Interior, escreve o Bild.

Entre 2015 e 2016, cerca de um milhão de migrantes chegaram à Alemanha, a maioria de países devastados pela guerra, como a Síria, o Iraque e o Afeganistão.

Durante semanas, milhares de migrantes atravessaram o país diariamente para solicitar asilo, muitas vezes impossibilitando verificações completas de antecedentes pois as autoridades estavam sobrecarregadas.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.