Austrália ordena evacuação em Queensland face à chegada do ciclone Debbie

Ciclone deve tocar terra na terça-feira e deverá ser o mais potente a afetar a Austrália desde o Yasi, em 2011

As autoridades australianas retiraram milhares de pessoas, incluindo turistas, do Nordeste da Austrália em antecipação à chegada do ciclone Debbie, previsivelmente o mais violento a atingir a região nos últimos anos.

O ciclone tem vindo a formar-se ao longo dos últimos dias ao largo do Estado de Queensland e deverá chegar ao continente australiano na terça-feira de manhã (noite de segunda-feira em Lisboa), explicou hoje o Gabinete de Meteorologia local.

Na noite de hoje em Queensland (início da tarde em Lisboa), o ciclone Debbie estava classificado na categoria quatro (cinco é a mais violenta).

Os habitantes do Estado de Queensland (Nordeste da Austrália) foram avisados quanto aos riscos associados a esta tempestade, a mais violenta desde o ciclone Yasi em 2011.

Mais de 3.500 pessoas foram retiradas das cidades de Home Hill e Proserpine, a cerca de 100 quilómetros a sul da localidade turística de Townsville, um ponto de partida das excursões para a Grande Barreira de Coral.

Cerca de 2.000 outras pessoas da zona costeira central de Bowen estavam também à espera de serem levadas para fora da região.

Por outro lado, 25 mil habitantes das regiões mais planas de Mackay foram aconselhados a abrigar-se em pontos altos, em antecipação à chegada de vagas que poderão chegar aos 2,5 metros.

Mais de 100 escolas foram fechadas, tal como os portos da região.

O responsável da polícia de Queensland, Ian Stewart, indicou que o ciclone poderá ter já feito uma vítima mortal: um turista que morreu num acidente de viação, provavelmente devido à meteorologia.

Ao chegar a terra, o ciclone deverá fazer-se acompanhar de chuva intensa e ventos com rajadas de 280 quilómetros por hora. "As fortes vagas constituem também um fator de risco e se o ciclone chegar à costa durante a maré alta, os seus efeitos serão ainda piores", disse o Gabinete de Meteorologia australiano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG