Aumentou para 22 o número de mortos em desabamento de prédios no Rio de Janeiro

Foram encontrados os corpos de duas crianças, cujos pais também morreram no desabamento. Há suspeitas que a chuva possa ter causado o acidente.

O número de mortos no desabamento de dois edifícios, no dia 12 no Rio de Janeiro, Brasil, subiu para 22, depois de terem sido encontrados no sábado os corpos de duas crianças entre os escombros, anunciaram os bombeiros.

Embora a identidade das crianças ainda não tenha sido divulgada, a agência EFE recorda que na lista de desaparecidos constavam dois irmãos, de seis e quatro anos, cujos pais também morreram no desabamento.

De acordo com o porta-voz dos bombeiros do Rio de Janeiro, citado pela agência France-Presse (AFP), uma pessoa continua desaparecida. O desabamento, no bairro de Muzema, zona oeste da capital carioca, provocou também cerca de uma dezena de feridos, três dos quais continuavam internados no sábado.

A zona em que os dois prédios desabaram faz parte de um complexo de comunidades pobres do Rio de Janeiro, que estão sob o controlo de milícias - grupos criminosos, liderados por agentes da polícia e militares no ativo ou reformados.

Os milicianos seriam responsáveis pela construção e venda destes imóveis construídos ilegalmente e que terão cerca de 30 mil habitantes.

Não há explicação oficial para as causas dos desabamentos, mas o bairro de Muzema está localizado numa das zonas mais atingidas pelas fortes chuvadas que caíram no Rio de Janeiro na segunda semana de abril e que provocaram dez mortos.

Há suspeitas de que as chuvas possam ter causado o desabamento, porque houve grande concentração de águas e deslocamento de terras na área onde estão situados os prédios.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.