Atentado em academia militar de Cabul faz seis mortos e seis feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e outras seis ficaram feridas num atentado suicida contra a Universidade de Defesa Nacional do Afeganistão, uma academia militar localizada no oeste de Cabul, anunciou esta sexta-feira a polícia.

Em comunicado, o porta-voz da polícia de Cabul, Firdaws Faramarz, indicou que "a explosão ocorreu ao meio-dia (08:30 em Lisboa) perto do portão de entrada da Universidade Marshal Fahim, à beira da estrada".

Firdaws Faramarz explicou que o bombista suicida "foi visto por um soldado e fez-se explodir antes de atingir o seu alvo".

"Segundo dados recentes, seis pessoas morreram e 16 ficaram feridas", acrescentou a mesma fonte.

A Academia Militar Nacional Afegã, fundada em 2005, treina oficiais superiores das forças armadas.

Nas últimas semanas, vários ataques de granada ou homens armados em motas tiveram como alvo polícias na capital, enquanto os Estados Unidos e os talibãs estão comprometidos há meses em conversações de paz.

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado suicida contra a Universidade de Defesa Nacional do Afeganistão, uma academia militar localizada no oeste de Cabul, provocando pelo menos seis mortos.

Firdaws Faramarz explicou que o bombista suicida "foi visto por um soldado e fez-se explodir antes de atingir o seu alvo".

O ataque, que ocorreu numa altura em que muitos estudantes saiam da academia neste período do Ramadão, foi reivindicado pelo Estado Islâmico, segundo o grupo de inteligência SITE, especializado na vigilância de grupos islâmicos e extremistas.

O grupo extremista Estado Islâmico alega que matou "50 estudantes militares".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.