Ataque contra Suécia "é um ataque contra todos nós" da União Europeia

Presidente da Comissão Europeia prestou as condolências às vítimas do atropelamento em massa

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, ofereceu à Suécia todo o apoio necessário de Bruxelas num atentado que é "contra todos" os Estados-membros, após o atropelamento de várias pessoas, hoje, em Estocolmo.

"Estamos solidários com o povo da Suécia e as autoridades suecas podem contar com a Comissão Europeia para as apoiar de todas as formas possíveis", disse Juncker, numa mensagem de condolências divulgada em Bruxelas e nas redes sociais.

Um ataque contra qualquer um dos nossos Estados-membros é um ataque contra nós todos

"Um ataque contra qualquer um dos nossos Estados-membros é um ataque contra todos nós", salientou, numa mensagem em que expressou a solidariedade para com as vítimas e famílias e saudou o "corajoso trabalho" dos primeiros a acudir à tragédia.

O primeiro-ministro da Suécia, Stefan Lofven, afirmou que tudo aponta para que o atropelamento de muitas pessoas hoje numa rua pedonal de Estocolmo seja "um ataque terrorista" e adiantou que uma pessoa foi detida.

"A Suécia foi atacada. Tudo aponta para um atentado terrorista", disse Lofven, numa breve declaração à imprensa.

O chefe do governo confirmou que pelo menos duas pessoas morreram, quando um camião avançou sobre várias pessoas e foi embater na montra de uma loja numa rua pedonal da capital sueca.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.